5.9.09

Noemi Jaffe: "Tem coisas que parecem"





Tem coisas que parecem ser mais de verdade
do que outras que parecem ser mais de mentira
Mas as coisas que parecem ser mais de verdade
na verdade só são verdade como parecer,
porque na verdade são de mentira.
Já as coisas que parecem ser mais de mentira,
na verdade são verdade sendo mentira,
como também são verdade como parecer.
Sendo assim as coisas que parecem ser mais de mentira
são mais de verdade
do que as coisas que parecem ser mais de verdade



JAFFE, Noemi. Todas as coisas pequenas. São Paulo: Hedra, 2005.

12 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

CICERO,


parece MENTIRA, MAS TE AMO DE VERDADE!


ABS,
A. NUNES

Rafael Mantovani disse...

fiquei confuso!

Antonio Bento disse...

"Seduzidos pela sua beleza, os homens envolverão de amor essa peste que lhes foi enviada, que eles não podem suportar, mas sem a qual não poderiam viver: é o diferente e a companheira dos homens. Réplica à artimanha de Prometeu, Pandora é também uma astúcia, um engodo, um dólos (artifício), o Engano feito mulher,
a Apaté (descaminho) sob a máscara da Philotés (amizade).
Ornada por Afrodite com uma irresistível kháris (dom), dotada por Hermes de um espírito enganador e de uma linguagem falsa, ela introduz no mundo uma espécie de ambigüidade fundamental; entrega a vida humana à confusão e ao contraste."
(Vernant, Mito e pensamento entre os gregos, p. 72).

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

um novo poema concreto:


"V E R / T E"




so ver
ti do


o ver
so me


co me
tu do


re ver
to do


ver se
o ver


so se
co se


in ver
ti do




Abração,
A. Nunes.

Janaina Amado disse...

Texto delicioso. Sou fã do minimalismo da Noemi Jaffe.

Anônimo disse...

Tudo sempre muito belo aqui no Acontecimentos, este formidável "armarinho de miudezas".
Abraço.
Mariano.

Arthur Nogueira disse...

Querido Cicero,

Mariano tem razão. É ótimo que esse espaço exista, "um descanso na loucura", um baú de coisas lindas e, melhor ainda, um canal direto a você e seu bom-gosto.

Beijo grande.

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Domingos da Mota disse...

Caro Antonio Cícero,

Excelente este desdobramento (esta dialéctica) entre o ser e o parecer da verdade e da mentira.
Não conhecia o poeta, e leio aqui muitos e belos poemas & outros textos.
Obrigado,

DM

Jefferson Bessa disse...

Gostei muito do texto! Um abraço.



Cicero, envio um poema que escrevi:

O Muro

só compreendo um muro
vendo o homem primeiro
sentado em meio aos montes
- em abrigo receoso

só compreendo um muro
se vejo esse mesmo homem
pisando a marcação
na vertigem das posses

só compreendo um muro
pelo medo nostálgico
do homem que via o sol
se pôr antes da noite

só compreendo um muro
se a guarda do que é cerco
fecha-se atrás das costas
e arrasta um deus pesado
(Jefferson Bessa)

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
paulinho (paulo sabino) disse...

parece mentira (e é verdade),

ficou louco, de verdade (e é mentira), por este poema (rs)!

que sacada!, que achado o da poeta!

beijo!