22.9.09

Juan Ramón Jiménez: "Poesia"



Poesia

Veio, primeiro, pura,
vestida de inocência.
E a amei como um menino.
Logo se foi vestindo
de não sei que roupagens.
E a fui odiando sem o saber.
Chegou a ser uma rainha,
fastuosa de tesouros...
Que iracúndia de fel e sem sentido!
...Mas se foi desnudando.
E eu lhe sorria.
Ficou com a túnica
de sua inocência antiga.
Acreditei de novo nela.
E tirou a túnica
e apareceu toda nua...
Oh paixão de minha vida, poesia
nua, minha para sempre!



Poesía

Vino, primero, pura,
vestida de inocencia.
Y la amé como un niño.
Luego se fue vistiendo
de no sé qué ropajes.
Y la fui odiando sin saberlo.
Llegó a ser una reina,
fastuosa de tesoros...
¡Qué iracundia de yel y sin sentido!
...Mas se fue desnudando.
Y yo le sonreía.
Se quedó con la túnica
de su inocencia antigua.
Creí de nuevo en ella.
Y se quitó la túnica
y apareció desnuda toda...
¡Oh pasión de mi vida, poesía
desnuda, mía para siempre!




JIMÉNEZ, Juan Ramón. Eternidades. Buenso Aires: Losada, 1957.

5 comentários:

André Gide disse...

começou o dia, nessa tarde triste e chuvosa de São Paulo...

João Renato disse...

Cícero,
Muito bonito.
Mas acho que ela jamais aparece toda nua.
Abraço,
JR.

Angela disse...

João Ramón Jimenez é muito bom.Acabo de ler Platero y yo.Pura poesia.

Fernando Campanella disse...

Maravilha de poema, gosto de poesia assim, despida, isenta, essência, ótima a sacação do Juan Ramón, acho que todos poetas sentem bastante isso que ele disse. Grande abraço.

Francisco Alves disse...

Ângela, Platero e eu é realmente um mimo... O que mais me admira em J.R. Jimenéz é sua capacidade de, usando temas aparentemente prosaicos e comuns, tais a natureza, as estações do ano, o passar do tempo etc, extrair a mais pura poesia... e poesia é isso, é reinventar o óbvio, li certa vez uma entrevista de Paulo H. Brito em que ele diz que sua poesia versa sobre os mesmos temas de sempre, a morte, a vida, o amor... Jimenéz, assim como Garrincha, de quem se dizia ter uma única jogada que sempre dava certo, vai jogando carradas de luz sobre temas aparentemente banais e 'useiros e vezeiros' em poemas... E, tal como o Anjo de Pernas Tortas, J.R.J foi um gênio...