18.11.18

Adriana Calcanhotto canta "Inverno"



Agradeço a meu amigo Arthur Nogueira, por me ter enviado o link para o seguinte clip, dirigido pela maravilhosa Suzana Morais, de Adriana Calcanhotto cantando uma das primeiras canções que ela e eu fizemos em parceria: "Inverno". 


16.11.18

Deado Lara: "Barro barroco"



Barro barroco


Quevedo,

Calçado em grilos,

Não temia

A sina natural

De nossa raça fidalga

Para escrever no belo soneto preferido de vovô:

"cago-me nos brasões desses monarcas"






LARA, Deado. "Barro barroco". In:_____. Uma canção para o IRA. São Lourenço, MG: Gráfica Novo Mundo, 2016.

14.11.18

Abel Silva: "O poço"



O poço

A moeda do Acaso
cai tão fundo
no Poço dos Destinos
que vivemos descolados
do viver do outro,
como num contrato de comportamento.
O milagre do viver nos entorpece.
Então a notícia da doença de um amigo,
o convite para a missa de um outro,
um susto, um alarme, uma suspeita
nos vareja no rosto uma aragem de morte.
Às vezes choramos,
ficamos desorientados
mas abrimos os olhos,
levantamos os ombros e seguimos em frente.
A gente é assim.
Como não guardo a esperança
de um encontro feliz
ao final das eras,
valorizo o tempo do aconchego,
abraço, beijo, conforto, aceito, sirvo.
Armo como posso a teia do afeto,
enquanto estamos perto
enquanto estamos vivos.





SILVA, Abel. "O poço". In:_____. Fôlego. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018.

12.11.18

Paulo Henriques Britto: "Da irresolução"



Da irresolução

Por não se estar preparado
perde-se a vida inteira.
A preparação, porém,
pra ser completa e certeira,

exigiria no mínimo
uma existência e meia.
Compreende-se, portanto,
aquele que titubeia

ao se ver face a face
com tamanho compromisso,
e termina decidindo
viver mesmo de improviso.




BRITTO, Paulo Henriques. "Da irresolução". In:_____. Nenhum mistério. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

10.11.18

W.B. Yeats: "To a child dancing in the wind" / "A uma criança que dança no vento"



A uma criança que dança no vento

Dança aí junto ao mar;
Que te importa
O rugido da água, o rugido do vento?
Sacode a tua cabeleira
molhada de gotas de sal;
Tu que és tão jovem ignoras
O triunfo do néscio, não sabes
Que o amor mal se ganha e logo se perde,
Nem viste morrer o melhor operário
E todos os feixes por atar.
Por que hás de temer
O terrível clamor dos ventos?





To a child dancing in the wind

Dance there upon the shore;
What need have you to care
For wind or water’s roar?
And tumble out your hair
That the salt drops have wet;        
Being young you have not known
The fool’s triumph, nor yet
Love lost as soon as won,
Nor the best labourer dead
And all the sheaves to bind.  
What need have you to dread
The monstrous crying of wind?




YEATS, W.B. "To a child dancing in the wind" / "A uma criança que dança no vento". In:_____. Uma antologia. Seleção e trad. de José Agostinho Baptista. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010. 

8.11.18

Antonio Cicero: "Voz"




Voz


Orelha, ouvido, labirinto:

perdida em mim a voz de outro ecoa.

Minto:

perversamente sou-a





CICERO, Antonio. "Voz". In:_____. Guardar. Poemas escolhidos. Rio de Janeiro: Record, 1996.

6.11.18

Duda Machado: "De vez"



De vez


pôr de vez
uma pedra
sobre a palavra
perda

perder
a pedra

perder

perder
de uma vez

de uma vez

de uma vez
o quê?




MACHADO, Duda. "De vez". In:_____. Crescente. São Paulo: Duas Cidades, 1990.