1.5.09

Alice Ruiz: "mosquito morto"

.


mosquito morto
sobre poemas
asas e penas



De: RUIZ, Alice. Desorientais. São Paulo: Iluminuras, 1996.

8 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

Amado Cicero,

Desorientou-me e fez-me lembrar de um poema do Arnaldo Antunes:



"Para Lá"
Arnaldo Antunes


Se toda escada esconde
Uma rampa
Ampara o horizonte
Uma ponte
Para o oriente
Um olhar
Distante

Em volta de um assunto
Uma lente
Depois de cada luz
Um poente
Para cada ponto
Um olhar
Rente

E a montanha insiste em ficar lá
Parada
A montanha insiste em ficar lá
Para lá
Parada
Parada

Diante do infinito
Um mosquito
Em torno de um contorno
Gigante
Cada eco leva
Uma voz
Adiante

Decanta em cada canto
Um instante
De dentro do segundo
Seguinte
Que só por um momento
Será
Antes

E a montanha insiste em ficar lá
Parada
A montanha insiste em ficar lá
Para lá
Parada
Parada




Beijo imenso!
Adriano Nunes.

João Renato disse...

Cícero,
Esse hai-kai ficou incrível; a gente viaja com essas seis palavrinhas.
Abraço,
JR.

ADRIANO NUNES disse...

PARA VOCÊ,


"UM POEMA"


Que alegria
É viver
Livre! Apenas,


Eu queria
Ver nascer
Um poema,


Ter nas mãos
Papel, lápis,
Esse sonho


E parir
Tudo, não
Ser em Vão!


Beijo imenso,
Adriano Nunes.

léo disse...

a poesia

ao sol

entoa sal

e tempestade

lavra

engenho

palavra

Ricardo Valente disse...

Fera Alice Ruiz... Pena do poema e do mosquito. Abração!

Lucas disse...

Antonio,

Gostei muito desse pequeno poema. Obrigado por partilhá-lo.

grande abraço,
Lucas

paulinho disse...

esse hai-kai da raiz da ruiz, você bem o sabe, é um dos meus prediletos.

impressionante como a poeta consegue concentrar tanto em tão poucas linhas... é, rapaz, a sabedoria dos hai-kais...

maravilha!

beijo, meu poeta porreta!

o velho disse...

Alice aprendeu bem. Con-centrado, o poema respira a si mesmo. Isso é zen. Um lago, um oceano. Mas, veja: ainda é um haikai ocidental. Alice não virou montanha. Precisa esquecer o que dizer sobre o mundo e respirar o zen com as palavras.
Quando escrevia haikais, nunca consegui esquecer o mundo. Essa ocidentalização pode ser uma forma útil de resgate. Não sei.