10.10.09

Victor Colonna: "Anti-Ícaro"




Anti-Ícaro


Não sei se foi voo
Ou queda.

O abismo me encontrou
Quando pus os pés no chão.

Não desejei estrelas
Nem derreti as asas
Ao procurar o sol.

Caí sem ter subido aos céus.



Esse belo poema se encontra no livro Cabeça, tronco e versos, que o poeta Victor Colonna estará lançando no dia 13/10, às 20h, no sebo Baratos da Ribeiro, à Rua Barata Ribeiro 354, em Copacabana, no Rio de Janeiro.

5 comentários:

Anônimo disse...

Cicero,
e é mesmo um belo, grandioso poema. quem não revê um momento ou outro da sua vida neste anti-Ícaro? gosto de poemas assim - que falam melhor do que eu falaria de mim.
Abraço,
F.

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Lindo o poema de Victor!


Grande abraço,
Adriano Nunes.

Miguel Del Castillo disse...

Realmente um belo poema.

André Gide disse...

só ao longe as estrelas "são o que são", e desse mesmo ao longe "sou o que sou".

Na Véspera

Álvaro de campos

Na véspera de não partir nunca

Ao menos não há que arrumar malas

Nem que fazer planos em papel,

Com acompanhamento involuntário de esquecimentos,

Para o partir ainda livre do dia seguinte.

Não há que fazer nada

Na véspera de não partir nunca.

paulinho (paulo sabino) disse...

que maravilha de poema! o final é lindo lindo lindo.

um beijo!