12.1.08

Proust: trecho de Journées

[...]

Percebo um desses seres que nos dizem pela particularidade do seu rosto a possibilidade de uma felicidade nova. A beleza, sendo particular, multiplica as possibilidades de felicidade. Cada ser é como um ideal ainda desconhecido que se abre para nós. E ver passar um rosto desejável que não conhecíamos abre-nos novas vidas que desejamos viver. Desaparecem na esquina da rua, mas esperamos revê-los, ficamos com a idéia de que há muito mais vidas a viver do que pensávamos, e isso dá mais valor à nossa pessoa. Um novo rosto que passou é como o encanto de um novo país que se nos foi revelado por um livro. Lemos seu nome, o trem vai partir. Que importa se não partimos, sabemos que existe, temos uma razão a mais para viver. Assim, eu olhava pela janela para ver que a realidade, a possibilidade da vida que sentia de hora em hora perto de mim continha inúmeras possibilidades diferentes de ser feliz.

[...]


De: PROUST, Marcel. "Journées". In: Contre Sainte-Beuve. Paris: Gallimard, 1954, p.72-73.

2 comentários:

Arthur Nogueira disse...

'Gente bonita é um tição'... que belo texto, Cicero! Passar por aqui é sempre um convite que se renova para conhecer um pouco mais de suas inspirações e sensibilidade tão interessantes. Sonhei com vc esses dias. Um grande beijo.

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Arthur. É uma alegria que você passe por aqui. Mais ainda que sonhe comigo.

Beijo,
Antonio Cicero