25.6.12

Antonio Cicero: "Aparências"





Aparências

Não sou mais tolo não mais me queixo:
enganassem-me mais desenganassem-me mais
mais rápidas mais vorazes mais arrebatadoras
mais volúveis mais voláteis
mais aparecessem para mim e desaparecessem
mais velassem mais desvelassem mais revelassem mais re-
velassem
mais

eu viveria tantas mortes
morreria tantas vidas
jamais me queixaria
jamais.




CICERO, Antonio. Porventura. Rio de Janeiro: Record, 2012. (No prelo)

3 comentários:

betina moraes disse...

Poeta,

uma bela composição em prol da liberdade de silenciar...


um beijo!

Arthur Nogueira disse...

cicero,

espetacular! contando os dias para devorar o "porventura".

beijos,

arthur.

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.