29.6.11

José Lino Grünewald: "Soneto burocrático"




Soneto burocrático

Salvo melhor juízo doravante,
Dessarte, data vênia, por suposto,
Por outro lado, maximé, isso posto,
Todavia deveras, não obstante

Pelo presente, atenciosamente,
Pede deferimento sobretudo,
Nestes termos, quiçá, aliás, contudo
Cordialmente alhures entrementes

Sub-roga ao alvedrio ou outrossim
Amiúde nesse ínterim, senão
Mediante qual mormente, oxalá quão

Via de regra te-lo-ão enfim
Ipso facto outorgado, mas porém
Vem substabelecido assim, amém.



GRÜNEWALD, José Lino. "Soneto burocrático". In: O Carioca. Revista de arte e cultura, nº 3, Rio de Janeiro, setembro-outubro de 1996.

9 comentários:

FTB disse...

...
Deus me livre!

Amélia disse...

Não conhecia o poeta.E gostei...

Welton Martins disse...

Muito bom o blog. Super interessante. Parabéns. Valeu mesmo...
http://www.dinheirovipmais.com

Alcione disse...

Descrição

Mapa do sistema
Visão frontal
LCD
Aberto
Oh, por que
o dia
Desconhece a noite
Temperamental
Câmera integrada
Microfone integrado
Cor açoite
Botão Power
Verde-cor laranja
Transcendental
Amor teclado
Ser amado
Coração.

bia reinach disse...

A última palavra do poema é amem do verbo amar?

Antonio Cicero disse...

bia,

não; foi por descuido que não digitei o acento de "amém". Obrigado por avisar.

Jefferson Bessa disse...

A escolha lexical foi fantástica. Um poema emaranhado/burocrático de primeira.
Um abraço.
Jefferson.

Danclads disse...

Recebido, deferido, publique-se.

Muito bom!

Caio de Castro disse...

Meu Deus que maravilha de soneto, isso sim é um poeta original. Poeta concretista que trabalhou com soneto foi demais, não conheço outro soneto de concretistas, se tiver outros nos apresente.

Grande abraço

Caio de Castro