18.6.11

António Gedeão: "Máquina do mundo"




Máquina do mundo

O Universo é feito essencialmente de coisa nenhuma.
Intervalos, distâncias, buracos, porosidade etérea.
Espaço vazio, em suma.
O resto, é a matéria.

Daí, que este arrepio,
este chamá lo e tê lo, erguê lo e defrontá lo,
esta fresta de nada aberta no vazio,
deve ser um intervalo



GEDEÃO,António. "Máquina de fogo". Obra completa. Lisboa: Relógio D'Água, 2006.

4 comentários:

Cosmica disse...

Magnífica e aterradora descrição de intervalo.
Arriscaria até dizer que ninguém o definiria com total grandeza e amplitude.O intervalo mesmo ligado ao tempo, e houve tempo, que o tempo não era tempo, ah! mas o intervalo, este já estava lá.
Poeira Cósmica

Roberto Bozzetti disse...

De tirar o fôlego. Gedeão é mesmo excelente.
obrigado, Cícero

o abraço do
Roberto Bozzetti

Carlos Leite disse...

O seu blog é fantástico! Ainda não consegui formar uma opinião completa sobre si... Ainda não li tudo, mas do que li, está óptimo!!! Muitos parabéns e, obrigado por partilhar connosco a sua arte!
Gosto imenso deste poema do grande António Gedeão :)
Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com

Antonio Cicero disse...

Caro Carlos,

muito obrigado! Acabo de ir ao seu blog, "O Pintor de Sonhos", e também gostei muito. Voltarei. Parabéns!

Abraço