20.6.11

Lau Siqueira: "bizarro"





bizarro



olhar
ecoado
no espelho

os dias passam

sem que a vida
devolva nenhum
dos pedaços



SIQUEIRA, Lau. Poesia sem pele. Porto Alegre: Casa Verde, 2011.

10 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,


belíssimo poema do Lau! Grato por compartilhar!


Abração,
Adriano Nunes.

Lau Siqueira disse...

gracias, poeta!

Alcione disse...

Duas andorinhas
sobrevoam o céu
de alabastro
Sincronia de asas
voam tão lindamente
(voam) lado a lado
I see,
Um leve roçar de asas.

Antonio Cicero disse...

Quem agradece sou eu, Lau. Obrigado pelo belo poema!

Grande abraço

Adriana Karnal disse...

o Lau é um verdadeiro poeta independente.

Márcia Maia disse...

belo! como tudo o que Lau escreve.

Anderson L. disse...

Olá, Cícero

Contrariando o nome, o poema é de uma beleza incrível.

Quero te convidar para visitar minha poesia: www.palavreandome.blogspot.com

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,


Um poema recente:



"Eco"


De cada instante
Captar a vez
Da voz. Talvez,
Seja importante

Escutar Eco
Desesperada...
Mas não há nada
A fazer: Eco

Nunca me entende,
Repete tudo,
Mesmo se grito!

Assim me atende:
'Por que me iludo?'
Vem do infinito.


Abração,
Adriano Nunes

Roberto Bozzetti disse...

Excelente, Cícero!

Não conheço o poeta, vou atrás.

o abraço do
Roberto Bozzetti

BAR DO BARDO disse...

o lau
é um fora-do-eixo dos meus prediletos

namaste!