16.3.10

Waly Salomão: "Mal secreto" (letra musicada por Jards Macalé)




Mal secreto


Não choro
meu segredo é que sou rapaz esforçado
fico parado calado quieto
não corro não choro não converso
massacro meu medo
mascaro minha dor
já sei sofrer
não preciso de gente que me oriente

Se você me pergunta
como vai
respondo sempre igual
tudo legal

Mas quando você vai embora
movo meu rosto do espelho
minha alma chora
vejo o Rio de Janeiro
vejo o Rio de Janeiro
comovo, não salvo, não mudo
meu sujo olho vermelho
não fico parado
não fico calado
não fico quieto
corro choro converso
e tudo mais jogo num verso
intitulado MAL SECRETO
e tudo mais jogo num verso
intitulado MAL SECRETO



(Musicada por Jards Macalé)


SALOMÃO, Waly. Gigolô de bibelôs. São Paulo: Brasiliense, 1983.

26 comentários:

Paulo Henrique disse...

Versos e adversos

paulinho (paulo sabino) disse...

ADOOOOOOOORO a canção!! tão linda!!...

amo o sentimento difuso apresentado nos versos, sentimento divergente, antagônico, que, a um tempo, não corre, não chora, não conversa, é massacrado, é mascarado, e, num outro tempo, corre, chora, não fica quieto, precisa ser exposto, exorcizado.

daí o mal secreto, essa dor que pede, ao mesmo tempo, ações divergentes, que suscita desejos contraditórios.

LINDO o poema-canção, waly salomão na veia!!

aliás, dia desses, folheando um livro do poeta, bateu-me uma saudade dele... enfim.

MARAVILHA!!

beijo, poetósofo de marca MAIOR!!

paulinho (paulo sabino) disse...

cicero,

acho que o poema-canção está com um errinho no último verso da primeira estrofe, logo no comecinho: ao invés de "não", está "neWeão".

beijOOO!!

Jefferson Bessa disse...

Que beleza! mal secreto - a máscara do que se oculta.
máscara do mal secreto.
lindo poema. leio e ouço sempre
:-)

Deixo a última estrofe de Raimundo Correia. Que também nos deixou o lindo poema:

"Quanta gente que ri, talvez existe,
Cuja ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!"

Um abraço.

Jefferson.

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Paulinho. Corrigi.

Beijo

Pax disse...

Tem um vídeo maravilhoso dirigido por Karla Sabah, dedicado ao Waly, com o próprio declamando entercalado com a música cantada por Luiz Melodia.

Vale cada instante:

http://www.youtube.com/watch?v=q8lqNLr-3c4

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,


Excelente poema... e a gravação sublime! Valeu!


Abração,
A. Nunes.

Anônimo disse...

WALY SALOMÃO FOI O MÁXIMO !!!!!
QUE SAUDADE,
Jorge Salomão

Saulo disse...

Fantástico!

Mariano disse...

Lennon/ McCartney, Milton/Fernando Brant, João Bosco/Aldir Blanc e outros que me perdoem, mas Macalé/W. Salomão é covardia. Só pérolas raras: Rua Real Grandeza, Anjo Exterminado, Vapor Barato, Mal Secreto, Negra Melodia e outras. É a parceria com o maior "pathos" da música popular...para corações fortes!
Abraço.

Pedro disse...

Adoro essa música. Na voz do Jrads, da Gal, da banda Numismata...
Todo dia venho cá no seu blog verificar se há nova postagem... Hoje pela manhã não fiz isso. No Centro, pela tarde, vi você perto da Carioca. Me deu uma vontade enorme de ir lá falar com você, mas bateu uma vergonha... Queria parabenizá-lo, cumprimentá-lo... Vou ter que aguardar essa sorte de novo, rs
Grande Abraço>

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Pedro. Da próxima vez, fale comigo.

Grande abraço

Arthur Nogueira disse...

Querido Cicero,

não imagina o susto que levei ao ouvir essa canção pela primeira vez, no LP da Gal. Devia ter uns 13 ou 14 anos. Fiquei comovido com a letra, com a melodia, com o Waly... E nunca esqueci. Nem dele, nem da canção. Que ótima a sensação de reencontrá-los aqui.

Um beijo, saudade :*

Anônimo disse...

Caro Cícero,
É interessante ler o poema.
Mas, a minha leitura é abafada pela memória da voz da Gal cantando-o.
Abraço,
JR.

Letícia disse...

Engraçado, também o vi nesse dia. Estava na loja de conserto de computadores no Ed. Av. Central.

Fiquei com vontade de dizer-lhe que estava relendo os poemas de "As cidades e os livros", mas, naquela fila, não tive coragem.

Fica pra próxima.

Obrigada, Cícero.

Jarbas Martins disse...

visceral
é o que se pode dizer da letra (ou poema)de waly salomão
e aí reside toda a diferença entre waly e raimundo correia

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,


Meu novo soneto:

"A apenas um verso"


Toda madrugada,
Tudo me interessa.
Vida? Talvez essa
Alegria atada

A apenas um verso.
Claro que me entrego
Ao poema. Cego,
Persigo-o, perverso

Que sou. Só agora,
Da felicidade,
Gozo. O sonho aflora

Na folha e me invade.
O sono demora
A vir... Liberdade?



Grande abraço,
Adriano Nunes.

Antonio Cicero disse...

Que coincidência, Letícia! De fato, eu fui a essa loja.

Beijo

CECILE PETROVISK disse...

Antonio,


Waly sempre é maravilhoso!


Um poema recente, caseiro... rsrsrssr

"Surpresa de uva"

Ai! Que alegria!
Sei quando vens...
Vejo mil nuvens,
Jatos... Iria

Fazer-te doce
De coco, torta
De maçã, torta
De manga, doce

De leite... Bomba
De chocolate,
Um chá de mate...
Bum! Nada bomba!

Sem gás... Só uvas
Na geladeira!
Pela primeira
Vez... Restam uvas.


beijos,
Cecile.

P.s. Quando pretende vir à cidade de Maceió para algum curso ou palestra? Todos nós aguardamos muito a sua vinda!

mateus mortaes disse...

Cicero,

Quando li, pela primeira vez, Waly Salomão, tive a sensação de que o cara era um "louco"... Relendo, percebi o quanto eu estva errado e certo... Hoje, não sei viver sem os seus escritos. Que bom que existiu no mundo alguém como Waly Salomão!


Como as pessoas aqui costumam deixar poemas, vou seguindo a maré. Posso?

"Ilusão"


Não há tempo.
O poema
Não virá.

Não há tempo.
O poema
Não se rende.

Não há tempo.
O poema
Que quer mais?


Abraço,
Mateus.

EDSON DA BAHIA disse...

Waly é desses caras que são porretas do início até o final do seu desenho pessoal, como expôs Caetano. Aqui, na velha e boa Salvador, ele deixou sua marca de alegria e teatralidade, tão bem exposta no Pan Cinema Permanente (documentário que todo mundo deve assistir). Adoro Waly, Adoro Jorge, e adoro este blog luz!
Avante, Cícero! Axé Kolofé Olorun Dupé!

Thiago Elloard disse...

Esse poema é do caralho!

Judite disse...

Linda a canção, aliás, como toda extravagância em waly. São máscaras a descobrir. e eu estou a anos mergulhada nesses mistérios da canção, do poema, da obra walyana. Defendo tese sobre os traços barroquizantes na obra de Waly pela UFPE. Parabéns Cícero por divulgar o waly que tão pouco conhecemos.

Rogério Batalha disse...

Waly: "Batalha! tá pensando que o Cícero é como a gente... O Cícero é louco!!! O Cícero é louco!!!

kkk. bj.


contato: rogerio.batalha@bol.com.br

Rogério Batalha disse...

Waly: "Batalha! tá pensando que o Cícero é como a gente... O Cícero é louco!!! O Cícero é louco!!!

kkk. bj.


contato: rogerio.batalha@bol.com.br

Antonio Cicero disse...

Querido Batalha! Que saudade! Que viagem, esse seu comentário!

Grande abraço