2.11.09

Heráclito de Êfeso: Fragmento 18: tradução de Emmanuel Carneiro Leão




9 comentários:

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariano disse...

Conhecia estas duas outras traduções:
"Se não esperar o inesperado não se descobrirá, sendo indescobrível e inacessível" (Trad: José Cavalcante de Souza. Pré-Socráticos. Ed. Nova Cultural.1996)

"Se não esperar, o inesperado ele não encontrará, pois é inencontrável e inviável" (Trad: Donaldo Schüler. Heráclito e seu dis(curso). L&PM. 2000.)

Achei bonito o final do comentário que D. Schüler fez sobre o fragmento:
(...)"Se o encontro com o esperado se consumasse, os caminhos se apagariam, secariam os rios que navegamos e que nos atravessam, perderíamos sem recurso os cursos e dormiríamos embalados no silêncio das origens."

Abraço.

lírica disse...

Que maravilha!
Lírica

Antonio Cicero disse...

Adriano,

de fato, esse verso foi conscientemente inspirado nesse pensamento de Heráclito.

Abraço

Tene Cheba. disse...

Temo o acaso, paranóico peço a Deus que me evite, deste que me apavora. Não naquele vôo que não embarquei, não tinha passagens, nem era o meu destino. Temo o meteoro que não vem. Não venha, não acabe com tudo.Temo a expansão, temo andar por calçadas que não conheço.Prefiro encolher, rezar, sobretudo, prefiro a imatabilidade do mundo.

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flora Tristan disse...

“Todo lo que diga está de más/ Las luces siempre encienden en el alma/ (…) Y yo no buscaba a nadie y te vi” (“Un vestido y un amor”, Fito Paez).

esperar o inesperado é desesperar?

betina moraes disse...

observador,

fantástico!

Alcione disse...

Uma dúzia de rosas
Dar-te-ei
E em cada uma delas
Em cada entrega
Alguma coisa direi
Coisas sem sentido
Que trago comigo
Há nada melhor no
Mundo que o mar
O mar que mareja
Espelha a lua
Enquanto o barco flutua
Mesmo na escuridão
Infinito em cada momento
Vivido ou tido por
Nas ondas do Arpoador.