12.8.09

Carlos Drummond de Andrade: "Fraga e sombra"



O poema "Fraga e sombra", de Drummond, lido em voz alta por mim:





Fraga e sombra

A sombra azul da tarde nos confrange.
Baixa, severa, a luz crepuscular.
Um sino toca, e não saber quem tange
é como se este som nascesse do ar.

Música breve, noite longa. O alfanje
que sono e sonho ceifa devagar
mal se desenha, fino, ante a falange
das nuvens esquecidas de passar.

Os dois apenas, entre céu e terra,
sentimos o espetáculo do mundo,
feito de mar ausente e abstrata serra.

E calcamos em nós, sob o profundo
instinto de existir, outra mais pura
vontade de anular a criatura.

12 comentários:

Mariano disse...

Poema e leitura belíssimos.

ADRIANO NUNES disse...

Amado Cicero,


Que lindos, poema e declamação! Muito lindos!



Abraço forte!
Adriano Nunes.

Jefferson Bessa disse...

É de uma grande leveza ouvir esse poema. Muito lindo mesmo!

Um abraço.

paulinho disse...

meu amor,

esta dobradinha, cicero e drummond, não poderia ser melhor, só poderia resultar neste achado!

lindo poema, linda leitura, enfim, tudo um ARRASO!!

beijo beijo beijo!

JORGE SALOMÃO disse...

WOW !!!!!
O máximo !!!!
A voz, o poema de Drummond, o blog
em si.....
Sou fã,
JORGE SALOMÃO RIO 2009

Dri Viaro disse...

Oi, vim conhecer seu blog, e desejar boa tarde
bjsss

aguardo sua visita :)

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Antonio Cicero disse...

Bonito, Adriano.

Luiz Lima disse...

Maravilha de poema e recitaçao!
Abraço,
Luiz

Robson Ribeiro disse...

Bonito, Cícero!

Obrigado!

Cristina disse...

Hoje vi uma entrevista dele, aos 78 anos. Saudades do poeta.

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1092767-7823-CARLOS+DRUMMOND+DE+ANDRADE+REVELA+SEUS+GOSTOS+E+FALA+DE+ITABIRA,00.html

Adorei a leitura.

Fernando Campanella disse...

Eu não conhecia esse grande soneto do Drummond, a forma perfeita para o conteúdo eterno. A poesia continua.....