8.8.09

Bola de Nieve: "Alma mia", de autoria de Maria Grever

9 comentários:

CECILE PETROVISK disse...

Antonio,

Ótimo! Saudades!



***QUEBRA-CABEÇA***


Mesmo que evite
Tal traço triste,
Em mim persiste
A grande angústia
De ser quem sou.


Sim, não preciso
Desse sorriso.
À vida aviso:
Guarda-me agora!
Que sou, que importa?


Tudo é sem volta, o
Sonho se solta, o
Eu se revolta, o
Tempo, o poema,
Posterga, poda.


Beijos,
Cecile.

Mariano disse...

Imenso Ignacio Villa.Canção de pungente e dolorida beleza.

Alcione disse...

Lindo, maravilhoso, como se fosse tu mesmo, a cantar, muito obrigada!

carmen disse...

Que bela Poesia em canção, Poeta!

Um abraço carinhoso.

Carmen Silvia Presotto

Antonio Cicero disse...

Alcione querida,
adorei conhecê-la e os seus poemas são lindos. Parabéns.
Beijo

EDSON DA BAHIA disse...

Sou viajante de blogs. Mas, aqui, é onde eu venho beber a água fresca da fonte.
Avante, Cícero!

paulinho disse...

lindo lindo lindo lindo, cicero!!

que belas imagens do bola de nieve, que delicado!!

sabe quem ADORA? os meus pais!! lembrei tanto deles enquanto ouvia a canção... inspirador...

beijo, meu porto de luz e beleza!!

Roberto disse...

Cicero, vale dizer que a Nana Caymmi, quase tão cheia de duende quanto o imenso Bola de Nieve, também gravou Alma Mia, composta, letra e música, pela mexicana Maria Grever (1894-1951), autora também do standard What a Difference a Day Makes. Saludos!

Antonio Cicero disse...

Roberto,

Obrigado pelas informações.

Abraço