22.6.09

Walt Whitman: "Once I passed through a populous city"

Adriano Nunes sugeriu que eu traduzisse e publicasse algum poema do Walt Whitman. Resolvi traduzir "Once I passed through a populous city". Optei, porém, pela versão original do poema (que se encontra no manuscrito UPP, II, 102, e é reproduzida na edição abaixo citada). Nessa versão original, quem perambula pela cidade com o poeta é um homem, e não uma mulher, como na versão modificada para publicação.



Uma vez passei por uma cidade populosa


Uma vez passei por uma cidade populosa, imprimindo no cérebro, para uso futuro,
seus espetáculos, sua arquitetura, seus costumes e tradições

Mas agora de toda aquela cidade só recordo o homem que perambulou comigo por lá, por amor a mim.

Dia após dia e noite após noite ficamos juntos.

Tudo mais foi há muito esquecido por mim – Recordo, repito, só um homem rude e ignorante que, quando parti, segurou-me a mão por muito, muito tempo, com lábios silenciosos, triste e trêmulo.



Once I passed through a populous city


Once I passed through a populous city, imprinting on my brain, for future use, its shows, architecture, customs and traditions

But now of all that city I remember only the man who wandered with me there, for love of me.

Day by day, and night by night, we were together.

All else has long been forgotten by me — I remember, I say, only one rude and' ignorant man who, when I departed, long and long held me by the hand, with silent lips, sad and tremulous.



De: WHITMAN, Walt. The complete poems.

13 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

Cicero, amado Cicero,


Realmente, não sei como agradecer! Fico feliz a cada dia que passa por frequentar esse cantinho mágico e cheio de luz e por ser seu amigo - não há nenhum tesouro no mundo que valha mais que isso! Esse poema é sublime e eu o adoro. Muito obrigado! Muitíssimo mesmo!



Abraço fraterno,
Adriano Nunes.

CECILE PETROVISK disse...

Antonio,

Que lindo poema e que belíssima transcriação! Possuo a obra completa de Walt, em inglês, e Folhas da Relva, em Português (foi a primeira, simples,traduzida por Luciano Alves Meira). Amei!

Um poema meu, recente:


***SOBRE O MEU MUNDO***


Fecho os meus olhos
E tudo abraço.
Que lindo laço
De flerte eu faço!


(somente o verso)


Todo meu mundo:
Um universo
Muito diverso,
Frágil, profundo!


(apenas, foco-o)


Como o componho,
Quem é que sabe?
Lance de lápis
No papel? Sonho?


Beijos,
Cecile!

Anônimo disse...

Prezado poeta,

Esse poema já tinha sido traduzido do original por seu querido (e nosso) Waly Salomão. Assim, ele volta, quase com a mesma roupa, para o nosso deleite via você. Legal. Salve Whitman.
João Batista de Morais Neto

Anônimo disse...

Prezado Antonio Cicero,

Olha, a bela tradução de Waly está na antologia Folhetim, poemas traduzidos, da Folha de S. Paulo, de 1987, na p.96. Há muito que namoro com esse poema via Waly, porque até então só conhecia as versões que descartam o afeto masculino.Queria postar no meu blog, estava na pauta, e aí meu deparei com o poema no ACONTECIMENTOS. Sincronicidade, grande abraço de um leitor seu,
João

Anônimo disse...

gosto de pensar que - se pudesse - o homem em questão responderia a Whitman assim,

DESINFERNO II

Caísse a montanha e do oiro o brilho
O meigo jardim abolisse a flor
A mãe desmoesse a carne do filho
Por botão do vídeo se fizesse amor

O livro morresse, a obra parasse
Soasse a granizo o que era alegria
A porta do ar se calafetasse
Que eu de amor apenas ressuscitaria


Luiza Neto Jorge In poesia (2a. ed). Assírio & Alvim, 2001

bj

Janaina Amado disse...

Belíssimo, eu não conhecia - obrigada :-))

Jefferson Bessa disse...

Caro Cícero,

fico muito feliz em ler Whitman no seu blog. Para mim Whitman é sempre uma grande companhia. Valeu mesmo!

Um abraço.
Jefferson.

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alcione disse...

Azaléia

A flor mais bela
Azaléia
Brotou de repente
Uma só noite ausente
Iluminou o meu semblante com a
Sua beleza tão singela
Deixou-me tão leve...
Posso dar piruetas no ar
Achar a fumaça/fuligem
E o barulho dos motores
E o espetáculo vazio dos prédios
Frios
Cheios de graça, alegres,
Feito fogos de artifício
Ao longe, um lindo arco-íris
Parece um vitral
A natureza é tanto mais bela
Quanto mais natural.

Wallace Fernandes disse...

:-)

paulinho disse...

que lindo!

e que homem rude e ignorante devia ser o tal (rs)!... este homem atiça a minha curiosidade, rapaz (rs)...

maravilha!

beijo, meu porto de luz!

Anônimo disse...

Antonio Cicero, eis a tradução de Waly:

Uma vez atravessei uma cidade populosa

Uma vez atravessei uma cidade populosa imprimindo no meu cérebro, para uso futuro,
seus espetáculos, sua arquitetura, trajes e tradições.
Mas agora de tudo daquela cidade me recordo só de um homem
que por ali vagabundeou comigo e que me amou.
Dia após dia, noite após noite, permanecemos juntos.
Tudo o mais já foi esquecido por mim - me recordo
só de um homem
rude e ignorante que, quando parti, segurou minha mão muito tempo,
boca não disse palavra, triste e trêmulo.

Folhetim, 03.02.85

João Batista de Morais Neto

Antonio Cicero disse...

João Batista,

Obrigado por enviar a tradução do Waly. É boa. Gostei de ele ter feito alusão ao Drummond no final, com a frase "boca não disse palavra", do poema "Caso do vestido".