16.10.07

Fernando Pinto do Amaral: "Arte poética"

Do poeta português Fernando Pinto do Amaral, a bela “Arte poética”:


Arte Poética

Palavras,
só palavras, nada mais
que a vã matéria, o seu sentido
eco de muitos ecos, repetido
reflexo de poderes tão irreais

como essas emoções graças às quais
terei de vez em quando pretendido
dizer um só segredo a um só ouvido
ciente de que nunca são iguais

os segredos e ouvidos que procuro
às cegas neste mar sempre obscuro
onde a voz deságua como um rio

sem nascente nem foz - apenas uma
incerta confidência que se esfuma
e só foi minha enquanto me fugiu.

6 comentários:

Elisa disse...

É bonito...

Léo disse...

para que tanta poesia?

meu pensamento indaga

com sua mania cartesiana

questionando tudo

criticando tudo

enquanto meu coração

repleto de linguagem

não pergunta nada

e dá-se inteiro

(sagração ou heresia)

ao exercício elevatório

da linguagem poesia

paulinho disse...

lindo, cicero, que maravilha!

o trabalho poético é um barco com o qual navegamos águas obscuras, sem sabermos, ao certo, onde aportar. enquanto se navega, nada mais importa, apenas o ato de singrar. que segredos os revelados? que ouvidos os encontrarão? não se sabe. gosto muito de uma grande sacada do paul valery sobre o assunto em questão, a arte poética, e que fecha com o que tentei desenvolver acima: "quando me perguntam o que eu quis dizer num poema, eu respondo que eu não quis dizer. eu quis fazer, e foi a intenção de fazer que quis o que eu disse".

acertadamente, o poeta esclarece o caráter mundano da poesia, ou seja: nunca propriedade privada. se ela o é em algum momento, o é apenas no ato de sua concepção - "confidência que só foi minha enquanto me fugia". depois, queira ou não, ela ecoa, eco de muitos ecos, e segue o seu caminho, ganha estradas, percorre o seu trajeto, encontrando um sem número de ouvidos diferentes, os seus pontos de abrigo.

mais uma vez, queridíssimo, arrebentando nas postagens! parabéns!

beijo enorme!

Arthur Nogueira disse...

Belo poema, Cicero. A poesia é mundana, como o prazer. Sempre bom passar por aqui. Um beijo de longe.

lorena martins disse...

te convido, querido poeta:

http://lorena.poema.zip.net

abraço forte,
lorena

Anônimo disse...

Agradecia que alguém fizesse chegar ao Sr. Fernando Pinto Amaral
que o seu poema está a ser utilizado para ilustrar uma foto no site Olhares e a autora da referida foto se intitula também autora do poema. Não sei como estabelecer o contacto com o autor, por isso deixo aqui este comentário denunciando este crime de plágio.
http://olhares.aeiou.pt/poetica_foto3216377.html