24.7.20

Luís de Camões: "Busque Amor novas artes, novo engenho"




Busque Amor novas artes, novo engenho


Busque Amor novas artes, novo engenho,
Para matar me, e novas esquivanças;
Que não pode tirar me as esperanças,
Que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê;

Que dias há que n'alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde,
Vem não sei como, e dói não sei por quê.





CAMÕES, Luís de. "Busque Amor novas artes, novo engenho". In:_____. Lírica. Org. por Massaud Moisés. São Paulo: Cultrix, 1981.

2 comentários:

Alecrim Dourado disse...

<3

Alcione disse...

Igual

Em uma ilha
luz intermediária
chego logo
sem tardança
e feito criança
outro polo, meu colo,
Circunstância
Broto sutil
A mil,
Aspiração sem nenhum controle
É que nós
Sem Self
Unidos pelo coração
De supetão
Redescobrimos
Igual àquele dia
Sarraceno
nada obsceno
Satisfação.