6.6.14

Manuel Bandeira: "Poema só para Jaime Ovalle"





Poema só para Jaime Ovalle

Quando hoje acordei, ainda fazia escuro
(Embora a manhã já estivesse avançada).
Chovia.
Chovia uma triste chuva de resignação
Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da noite.
Então me levantei,
Bebi o café que eu mesmo preparei,
Depois me deitei novamente, acendi um cigarro e fiquei pensando...
- Humildemente pensando na vida e nas mulheres que amei.



BANDEIRA, Manuel. "Belo belo". In:_____. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1967.

3 comentários:

Maíra Ramos disse...

Figura singular era esse Jayme Ovalle. Poeta dos poemas escritos em inglês, inspirador de tantos poemas... Queria ter conhecido!

Anônimo disse...

Quando morreu Ovalle, Bandeira escreveu:"Vi com prazer/ Que um dia afinal seremos vizinhos/ Conversaremos longamente/ De sepultura a sepultura/ No silêncio das madrugadas/ Quando o orvalho pingar sem ruído." Ana

Rösy Myrändä disse...

Que outros elementos dos verbos finais revelam essa solidão do eu-lírico?