1.1.13

Blaise Cendrars: "Saint-Paul" / "São Paulo": trad. Antonio Cicero





São Paulo

Adoro esta cidade
São Paulo é conforme meu coração
Aqui nenhuma tradição
Nenhum preconceito
Nem antigo nem moderno
Contam apenas esse apetite furioso essa confiança absoluta esse otimismo essa audácia esse trabalho esse labor essa especulação que fazem construir dez casas por hora de todos os estilos ridículos grotescos belos grandes pequenos norte sul egípcio ianque cubista
Sem outra preocupação além de seguir as estatísticas prever o futuro o conforto a utilidade a mais-valia e atrair uma grande imigração
Todos os países
Todos os povos
Amo isso
As duas três velhas casas portuguesas que restam são azulejos azuis




Saint-Paul

J'adore cette ville
Saint-Paul est selon mon coeur
Ici nulle tradition
Aucun préjugé
Ni ancien ni moderne
Seuls comptent cet appétit furieux cette confiance absolue cet optimisme cette audace ce travail ce labeur cette spéculation qui font construire dix maisons par heure de tous styles ridicules grotesques beaux grands petits nord sud égyptien yankee cubiste
Sans autre préoccupation que de suivre les statistiques prévoir l'avenir le confort l'utilité la plus-value et d'attirer une grosse immigration
Tous les pays
Tous les peuples
J'aime ça
Les deux trois vieilles maisons portugaises qui restent sont des faïences bleues




CENDRARS, Blaise. Poésies complètes. Paris: Denoël, 1947.

2 comentários:

Lucian Rodrigues Cardoso disse...

Antonio Cicero, conhecia alguns de seus poemas e não sabia de seu trabalho como tradutor. Obrigado pelas traduções não só em palavras, mas, principalmente, em espírito. Ficarei lisonjeado se puder visitar, ponderar e quiçá ser membro do meu humilde novo espaço. Abraços, Lucian
(http://www.poemasintrovestidos.blogspot.com.br/)

carlos disse...

Super, super...
Não é pra dizer mais nada é ler e procurar obras do grande autor!

Feliz ano novo para você e para todos os leitores que com certeza aqui se deliciam!