29.4.08

Apresentação de "A montanha mágica", de Thomas Mann

Li A montanha mágica pela primeira vez quando adolescente. A imponência do volume sugeria, de fato, uma montanha a ser escalada; quanto à mágica, senti-a desde as primeiras páginas.

Na verdade, Thomas Mann extraiu o título desse romance do trecho de O nascimento da tragédia em que Nietzsche diz: “Agora a montanha mágica do Olimpo como que se nos abre e mostra as suas raízes. O grego conheceu e sentiu os pavores e horrores da existência: para poder não mais que viver, precisou conceber a resplandecente criatura onírica dos olímpicos.” Mas os tempos modernos são outros. Ironicamente, na montanha mágica de Thomas Mann, situada na Suíça, não se encontram seres sobre-humanos, mas humanos enfermos: não a morada dos deuses, mas um sanatório para tuberculosos, do qual o escritor alemão faz um microcosmo em que encena, de modo magistralmente depurado, tanto o enfrentamento quanto o entrelaçamento das diferentes idéias que moviam o espírito europeu nos anos imediatamente anteriores à eclosão da primeira guerra mundial.

Entretanto, A montanha mágica não consiste num tratado de filosofia ou de história das idéias, mas num romance. Graças à arte do autor, seus personagens ficam-nos na memória como seres de carne e osso. Alguns são inesquecíveis: a russa Mme. Chauchat, cujos “olhos quirguizes” lembram ao personagem central – o “jovem singelo, ainda que simpático”, Hans Castorp – certo colega do ginásio, e contribuem para lhe provocar uma verdadeira obsessão erótica; o holandês Mynheer Peeperkorn (baseado no escritor – Prêmio Nobel de Literatura – Gerhart Hauptmann), que, “robusto e delicado”, domina, pela sua presença monumental e pelos seus gestos teatrais, os ambientes em que se encontra, apesar (ou também por causa?) do caráter inconcluso de quase todas as suas afirmações; e sobretudo, pelo menos para mim, o humanista italiano Settembrini e o jesuíta Naphta (que tudo indica ter sido baseado no filósofo Georg Lukacs), que se digladiam intelectualmente em torno do espírito de Hans Castorp – e do leitor.

Settembrini é o que Thomas Mann chama, não sem uma pitada de desdém, de Zivilizationsliterat, “literato da civilização”, isto é, um intelectual, herdeiro espiritual do humanismo e da Ilustração, nos moldes tradicionais da Europa Ocidental. Sua linguagem é “plástica”, como ele mesmo define, e tende a resvalar para a retórica. Interessado na vida mundana, sua figura é, no entanto, um pouco démodé e ridícula, tanto que, logo que o vê, Castorp o toma por um tocador de realejo. Naphta deveria representar, ao contrário, a cultura genuinamente alemã e romântica, em oposição àquilo que inúmeros pensadores alemães, tais como Spengler, tomavam como o mito superficial da civilização universal; no entanto, com notável ironia e profundidade, Thomas Mann o caracteriza como judeu da Europa Central, jesuíta e apologista dos valores da Idade Média. Chocantemente feio, ele é, no entanto, ao contrário de Settembrini, impecavelmente elegante e refinado.

“A malícia, senhor”, diz Settembrini no seu primeiro encontro com Hans Castorp, “é o espírito da crítica, e a crítica representa a origem do progresso e do esclarecimento”. Ao tratar cada um desses dois personagens com irreverência, logo distância crítica, equivalente, Thomas Mann assume plenamente o direito de – nas palavras de Strindberg que ele gostava de citar – “jogar com pensamentos e experimentar com pontos de vista, mas sem se atar a coisa alguma, pois a liberdade é o ar vital do poeta”. A verdade é que A montanha mágica exemplifica perfeitamente a tese de Schlegel de que “os romances são os diálogos socráticos de nosso tempo. Nessa forma liberal a sabedoria de vida refugiou-se da sabedoria escolar”.

De todo modo, talvez a característica mais assombrosa das discussões entre Settembrini e Naphta, para quem os lê no princípio do século XXI, é a sua inteira atualidade. De um lado, o religioso para quem é mister “espalhar o terror para a redenção do mundo e para a conquista do objetivo da redenção, que é a relação filial com Deus, sem a intervenção do Estado e das classes”; de outro, o secularista para quem é imperativo salvar e expandir as conquistas do Renascimento e do Século das Luzes, que, segundo ele, são “personalidade, direitos do homem, liberdade”. Essas posições se confrontam e desenvolvem em diálogos memoráveis, e um calafrio nos percorre quando nos damos conta do caráter profético das palavras com que Thomas Mann – bem antes da ocorrência de Auschwitz ou do Arquipélago Gulag, ou dos aviões e homens-bomba do nosso tempo – faz Naphta defender, por exemplo, a tese de que “o segredo e a existência da nossa era não são a libertação e o desenvolvimento do eu. O que ela necessita, o que deseja, o que criará é – o terror”.

Mas A montanha mágica é atual também em outro sentido. No passado, não faltou quem qualificasse a estrutura dos seus romances de insuficientemente experimental, em comparação com as dos romances de James Joyce ou Robert Musil, por exemplo. Trata-se de um equívoco. Cada obra de arte é sui generis, e deve ser respeitada e julgada segundo os critérios que ela mesma impõe. Em particular, são inaceitáveis os diagnósticos e as receitas baseados em tendências literárias à la page. A arte de Thomas Mann não fica em nada a dever à de Joyce ou Musil. Além disso, não se poderia compreender o caráter experimental de uma obra partir de semelhantes comparações. Convém contemplar a probabilidade de que o autor leve a sério a máxima que repete diversas vezes, ao longo do romance: placet experiri, isto é, “convém experimentar”. Seria cegueira taxar de conservador um estilo que admite, por exemplo, amplas passagens ensaísticas; que relativiza perspectivisticamente todas as posições espirituais, inclusive as do narrador; que emprega técnicas de composição extraídas da arte musical, como o Leitmotiv; que utiliza magistralmente a citação e a alusão; etc.

De todo modo, devo dizer que A montanha mágica foi para mim um Bildungsroman, isto é, um romance de formação, não apenas no sentido convencional e tradicionalmente reconhecido de que narra o aprendizado intelectual e emocional do já citado Hans Castorp, mas também de um modo muito pessoal, pois contribuiu decisivamente para a minha própria formação intelectual e emocional. Data, com efeito, da época da minha primeira leitura desse livro a decisão de dedicar os meus estudos prioritariamente à filosofia.

É por isso que me foi irresistível o convite para escrever esta apresentação. Aceitei-o, portanto, e reli o livro. Muita paixão literária da juventude perece, quando submetida a um olhar maduro. No caso de A montanha mágica, porém, creio que a experiência e os estudos me tenham armado para captar ainda melhor as inúmeras sugestões, alusões e sutilezas que, tendo escapado ao adolescente sem lhe fazerem falta, aumentam o deleite do adulto: o fato é que, para mim, ela se provou uma dessas obras-primas que não apenas resistem ao tempo, mas com ele crescem.


Apresentação a: MANN, Thomas. A montanha mágica. Trad. de Herbert Caro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira2006.

9 comentários:

Lucas Nicolato disse...

Antonio,

Muito interessante sua apresentação. Consegue mesmo despertar interesse pelo livro. Pareceu-me ótimo! Vou passá-lo à frente da minha fila de livros. Você recomenda alguma tradução?

um abraço,
lucas

Antonio Cicero disse...

Lucas,

acho que a única tradução para o português é essa mesma -- que, aliás, é excelente -- do Herbert Caro, editada pela Nova Fronteira.

Abraço,
Antonio Cicero

léo disse...

Li esse livro durante uma crise de pânico. Eram remédios, livros e o pensamento em Manuel Bandeira, que esteve num sanatório em Clavadel. Sua percepção do universo único de uma obra de arte, sua discordância com relação a idéia de evolução em arte e, sobretudo, sua relutância em aceitar o que quer que seja que signifique uma rachadura nas instituições democráticas, faz de você um artista e pensador muito interessante, Dr. Cícero, meu poeta querido.

betina moraes disse...

pensador,

interessantíssimo ir juntando os retalhos que formaram o inteiro que você é! saber as fontes ajudam a saborear com mais paladar sua fantástica poesia e prosa irresistível

comprarei o livro, verei o que me resta de análise e de transformação.

um forte abraço!

Anônimo disse...

Irmão...irmão...rs
Um beijo.
M.L

Anônimo disse...

A edição que eu tenho deste livro é justamente a que apresentas, na edição comemorativa de 40 anos da Nova Fronteira. Confesso-te que lê-lo foi efetivamente subir esta montanha. Escalada a mão, remarque-se. Lá se iam mais de 500 páginas e salvo passagens poéticas como a “Da pia Batismal” e “Hippe”, eu não via razões para continuar tamanho tédio que o livro, num primeiro momento, inspirou. Esta sensação me causou, inicialmente, uma enorme frustração e decepção. Decepção por se tratar de um livro tantas vezes citado em antologias da literatura fundamental do século passado e frustração pela minha incapacidade de comungar com a leitura o sentimento prazeroso que justificasse seguir até o final. Mas, enfim chegou Naphta, fazendo contraponto a Settembrini, propondo um acorde diferente e do tédio se passou para a angústia da tentativa incessante de acompanhar o embate de ideias e ideais. Mal se encontrava a biografia que procurava e Mann tomava a dianteira e desaparecia detrás de um personagem novo e eu me perdia de novo! Tive a sorte de ter lido recentemente o “Ética: Direito, Moral e Religião no Mundo Moderno” (Cia das Letras) do Prof. Fábio Konder Comparato, que além de me ter dado uma base necessária (sem o que a leitura da Montanha seria em vão) serviu-me constantemente como fonte de referência. E então terminei o livro. E parecia que sete anos haviam-se passado desde as paginas iniciais. E parecia que tinha me despedido de amigos diletos e me deu uma saudade danada...
É um livro para se ler duas vezes!!
Um abraço,
Parabéns pelo belo texto.
Teuly Rocha

Tati. disse...

Olá, estou muito feliz de ter encontrado o blog do tradutor da Montanha Mágica, queria esclarecer algumas dúvidas. Primeiro, gostaria de saber qual a diferença entre a tradução da edição comemorativa de 40 anos e da outra, que também é da nova fronteira, também é sua, mas é um pouco mais cara e parece ser um pouco maior. Estou lendo a comemorativa e achando ótima, mas gostaria de saber se estou perdendo algo. O meu email é tatiannavoronkoff@gmail.com, por favor, se possível, responda a minha dúvida, e aí se eu me lembrar de alguma outra coisa também poderei pedir esclarecimentos no futuro :) Obrigada.

Tati. disse...

Postando outro comentário pra retificar, não o blog do tradutor, mas de quem fez a apresentação do livro, hehe, de qualquer forma o resto do comentario permanece igual.

Antonio Cicero disse...

Tati,

você está enganada. Não sou o tradutor de "A montanha mágica". Apenas fiz a introdução à edição comemorativa.