9.3.07

Eugénio de Andrade

Mar de setembro

Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
O mar estava perto,
fremente de espumas.
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves -- só
ritmo e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto.
Puríssimo. Doirado.



[Eugénio de Andrade. Do livro Mar de setembro. Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 1977.
Incluído na antologia Poemas de Eugénio de Andrade. Seleção, estudo e notas de A. Saraiva. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999, p.69.]

Um comentário:

Maria Muadié disse...

Eugénio de Andrade...MARAVILHOSO.