26.2.11

Alberto Pucheu: "A voz do sangue, o sangue da voz"




A voz do sangue, o sangue da voz

Tanto silêncio no ringue, no ringue
e na fome, tanto burburinho zoando simultaneamente,
que não posso distingui-los. E mesmo antes dos golpes
na cabeça, e mesmo antes de qualquer golpe
revolvendo as entranhas pelo avesso
(antes dos 4.500 quilos por impacto), e, mesmo antes,
tanto silêncio no ringue, no ringue
e na fome, tanto burburinho zoando
simultaneamente, que não posso distingui-los.
O ringue é o ringue, a fome é a fome, mas no ringue
(como na fome, como na fome do ringue, como no ringue
da fome), o silêncio é silêncio e burburinho,
e o burburinho, burburinho e silêncio. Quando,
no canto do amparo – sentado, curativos imediatos,
os segundos trabalhando a meu favor, a respiração em busca
de um ponto pacífico –, ouço a voz nítida do treinador
se erguendo do alarido da multidão e de ninguém,
não a escuto como um mandamento: infiel
e pecador, poderia traí-la. Escuto essa voz
desenrolar as últimas ataduras que envolvem o punho
do meu coração, espremê-lo ao sumo,
ao ponto de o gosto do sangue (de o gosto da fome) brotar comprimindo as gengivas por entre os dentes e o protetor,
me dando a certeza de que o próximo soar do gongo
será o último badalo com o qual meu adversário sonhará
antes de beijar a encardida lápide da lona.


PUCHEU, Alberto. A fronteira desguarnecida (poesia reunida 1993-2007). Rio de Janeiro: Azougue, 2007.

2 comentários:

joaoletras disse...

um texto que a gente ler sem nem perceber que ta lendo

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,


Que lindo! Bravo!


Um poema:

"ato III: o desassossego"


às vezes, invento o
amor
entre um ver-
so e outro.

às vezes, ouso
mergulhar
fundo, pra ver-
ter o mundo

todo. às vezes,
contento-me
com pouco...
e riscos

corro. às vezes, só
(gritos,
páginas e grafite?)
sofro.


Abração,
Adriano NUnes.