22.6.08

Carlos Pena Filho: "Soneto do desmantelo azul"

.

Soneto do Desmantelo Azul

Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori as minhas mãos e as tuas.

Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul.


De: PENA FILHO, Carlos. "A vertigem lúcida". In: Livro geral. Olinda: Gráfica Vitória, 1977.

3 comentários:

Alcione disse...

Perdido no deserto
O caminhante sente sede
Vê algo verde
Parece que está perto

Liberto da dó e do nó
Vai em direção às águas calmas
Lava seu corpo do pó
E da vertigem da alma

No chão de cimento divaga sobre a
lisura
Transparente do ser ausente
Nos seus olhos resplandecente

Sob o céu azul e quente
Afaga seus dedos docemente
Enquanto tece o bordado na seda
mais pura.

paulinho disse...

nossa senhora, cicero, que poema lindo! que coisa maravilhosa, arrebatadora...

apaixonei-me pela pena do carlos (rs)!

azul azul azul, cor da minha predileção.

azul azul azul... cor que, para sempre,

luza!

beijo grande, bonito, cercado de cores!

Felipe Vasconcelos disse...

Caro Antonio,
Adoro esse poeta e, particularmente, esse poema. Fiquei muito contente por você o estar divulgando em seu blog.
Um abraço.