3.4.07

Luis Martínez de Merlo

HOMENAJE Y PLAGIO III
(L. M. M.)

Dormir en cama ajena, despertar
en un cuarto al que nunca has de volver,
y en la luz vaga del amanecer
buscar la ropa (¿dónde puede estar

la chupa?), el aro, un calcetín (¿y el par?)
mientras aún duerme el chico aquel que ayer
te sonrió en el bar: ese alfiler
que rara vez se encuentra en um pajar.

Aturdido y cansado ahora al salir
buscando um taxi, vuelves a reír
regustando en los labios su sabor.

Miras gozoso un astro en el azur
y silbas. Bueno está – no, no fue amor... –
perdido el norte, que aún exista el sur.

5 comentários:

paulo de toledo disse...

caro antonio, gostaria de convidá-lo a visitar o site da ótima revista critério.
http://www.revista.criterio.nom.br/
lá, dentre outras coisas, você poderá conferir uma tradução que eu e minha esposa fizemos de um poema de lello voce, poeta contemporâneo italiano.
http://www.revista.criterio.nom.br/lellovoce_index.htm
te espero lá!
abbracci

Naeno disse...

É só uma dor,
Não se incomode não
Dada ao meu corpo
Em provação.
É só uma cor
De brincadeira,
A tela inteira
Do meu amor.
Que se disfarça,
Pelo caminho,
Sol e carinho,
Nenhum, nenhuma graça.
É só uma cruz,
E eu pendurado.
Amo, apenado,
Por essa luz.
Que não clareia,
Não me demarca,
No solo, parca,
A lua cheia.
Não fique não,
Essa dor passa,
E se ela pesa,
Fale uma reza
Que eu fique em casa.
Quando o amor fugiu,
A lua do céu caiu,
E nora nos olhos dela,
Cor amarela.
Não fique aqui, a fio,
De sentinela.
É só uma dor
Que brincadeira,
Faltou-me inteira
Meu grande amor.

Um abraço
Naeno

Eder disse...

Tenho um poema que mais ou menos reflete tal sentimento:

por distração
Sábado, Janeiro 20, 2007, 05:14 PM

não quereria escrever para nada
que não a passar num poema
aquilo que em mim soa
(e me faz suar) infinito;
aquilo que em mim
se debate, corrói
e arrebenta.

não quereria escrever para nada
que não a devolver num poema
aquilo que em mim do outro é,
me fazendo sê-lo.
não para que ele
se debata, corroa
e se arrebente.
mas para que as palavras,
assim como outrora,
infinite-o.


www.ederfonseca.com.br

Daniela Duarte disse...

Hola hermano,
Bueno... acabo de conhecer a sua pessoa ao vivo e entre um pensamento e outro e mais outro e por aí vai, prendi na língua a vontade de continuar a compartilhar, em todo caso deixo aqui a chave para a entrada em minha veia linha tipo sanguineo blog poético!!!
Obrigada mais uma vez pela troca generosa...
Narciso vê em si o outro em essência!
besos
Daniela do seminário em Sampa...

http://www.pequenasdosesdoreal.blogspot.com/

Naeno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.