28.12.11

Haroldo de Campos: "O poeta ezra pound desce aos infernos"





O poeta ezra pound desce aos infernos

não para o limbo
dos que jamais foram vivos
nem mesmo
para o purgatório dos que esperam
mas para o inferno
dos que perseveram no erro
apesar de alguma contrição
tardia e da silente senectude
- diretamente com retitude -
o velho ez
já fantasma de si mesmo

e em tanta danação
quanto fulgor de paraíso



CAMPOS, Haroldo de. Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 2004.

8 comentários:

ROSANE DARIVA disse...

Olá, Antonio Cicero

Adorei o poema...muito bom!

Um ótimo final de ano.

beijo

Rosane

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Rosane.`
Ótimo final de ano e ótimo ano novo para você também!
Beijo

Thaelman Carlos disse...

Here or not here,
Haroldo de Campos ?

Deslumbrante poesia!

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Lindo! Amo esse poema! Deixo aqui um poema meu:

‎"Menelau"

Esqueça tudo
O que você imagina e

Vire a página
Vire a página
Vire a página
Vire a página
Vire a página e

Aquela mágoa apague
Aquela mágoa apagu
Aquela mágoa apag
Aquela mágoa apa
Aquela mágoa ap
Aquela mágoa a
Aquela mágoa
Aquela mágo
Aquela mag
Aquela ma
Aquela m
Aquela
Aquel
Aque
Aqu
Aq
A



Abraço forte,
Adriano Nunes

Aetano disse...

Adriano, que legal esse seu "Menelau"!

angu - arte,poesia & kontrakultura disse...

CORRIGINDO :

There or there aren't ,
Haroldo de Campos ?

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Meu amado amigo,

que em 2012, tudo de ótimo ocorra para você e para os seus. Paz e luz, felicidade plena, filosofia e poesia!
beijo imenso!

Um poema que fiz que expressa o que desejo para todos nós:


"pacote prático para a população"



paciência,
perseverança,
poesia,
prosperidade,
próximas paradas,
planos profícuos,
promessas no peito,
prosa,
pensamentos positivos,
ponderação,
palcos e pré-estreias,
prismas,
pináculos,
pirraças,
portas pro paraíso,
paixões,
paladares precisos,
palavras pra o possível,
pancadas em preconceitos,
propostas, projetos, portentos,
profissões,
profusões,
protestos pró-particular,
polidez,
placidez,
política pró-povo,
polícia pros porcos,
pérolas pros presentes,
palpites,
piscadelas,
passarelas,
pausas,
poentes,
pessoa, pessoas, peixes,
plantas,
pássaros,
películas, pinturas puras,
perguntas,
partidas,
passeios,
paisagens perenes,
partes,
pára-quedas, pára-raios,
pantomimas,
pandeiros,
pupilas,
prazer,
ponte pra paz.



pedras pra quê?



Adriano Nunes

Antonio Cicero disse...

Querido Adriano,

Obrigado pelo belo poema! Um feliz ano novo para você!

Abraço grande