3.7.11

Fernando Pinto do Amaral: "Elegia"




Elegia

Regressa neste inverno o tempo exausto
de outros invernos &nbsp &nbsp Rostos submersos
sorriem e emergem devagar
do frio rio dos versos

Olha bem para eles &nbsp &nbsp Reconheces
o que resta de ti
nos seus olhos intactos flutuando
no espelho desse rio &nbsp &nbsp A tua vida
reflui nessas imagens
nos seus reflexos líquidos que movem
as tuas ilusões Respira fundo
absorve a luz do sol
nesta manhã «de inúteis agonias»
e vê que meio século é muito pouco
desde o primeiro dia

Rompe de novo a sombra desses anos
a membrana translúcida do tempo

Talvez ainda saibas mergulhar
no mesmo rio de sempre
e no entanto é cada vez mais fria
a água do passado



AMARAL, Fernando Pinto do. "Elegia". In: Relâmpago. Revista de poesia, nº 27, ano XIV, Lisboa, outubro de 2010.

7 comentários:

Neno Miranda disse...

querido poeta, porque seu blog é tão escuro ?
abraços.

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Muito belo!

Para você:

espantalho - Pra Antonio Cicero.

eu tenho os
meus pentelhos
meus pirralhos
meus piolhos

me espelho
em uns e outros
me espalho
sou mesmo solto

palha entre agulhas
fagulha
pilha de milho
ilha de corvos

partilho com todos
o meu ser pouco
a pouco
espantalho

espanto-me:
embaralho-me...
tenho tripa sonho
nome

um dia terei
cabelos grisalhos
num salto
mágico

todo o céu.
ou o lapso
de ouvir o
vento no papel.


Abração,
Adriano Nunes.

Antonio Cicero disse...

Escuro em que sentido, Neno?

Louise Lou disse...

Que sensação! Que maravilha! meus pés estão gelados mas logo se aquecem com esse poema de uma solidão querida que se faz quente ao propôr uma reflexão tão adequada sobre o tempo... Obrigada, Cícero.

Paula disse...

Gostei muito do poema. Fiz um link no meu blog, tudo bem? abraço.

Antonio Cicero disse...

Claro que tudo bem, Paula.

Abraço

Alcione disse...

Madrigais

Eu não sei aonde
Por onde foi que
O oriente se perdeu
E pelos laranjais
Coisas e tais, quando
as flores sejam prêmio
Sonho do verso mais diverso
De artes marciais
Idade diamante
De amantes
Fortaleza
Ancestrais.