30.1.10

Octavio Paz: "Destino del poeta" / "Destino do poeta": trad. Haroldo de Campos




Destino de poeta

¿Palabras? Sí, de aire,
y em el aire perdidas.
Déjame que me pierda entre palavras,
déjame ser el aire en unos labios,
un soplo vagabundo sin contornos,
breve aroma que el aire desvanece.

También la luz en sí misma se pierde.



Destino do poeta

Palavras? Sim, de ar
e perdidas no ar.
Deixa que eu me perca entre palavras,
deixa que eu seja o ar entre esses lábios,
um sopro erramundo sem contornos,
breve aroma que no ar se desvanece.

Também a luz em si mesma se perde.



PAZ, Octavio; CAMPOS, Haroldo. Transblanco (em torno a Blanco de Octavio Paz. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

7 comentários:

Alcione disse...

Se digo palavras
Não é para dizê-las
Ou revelá-las
Mas para vivê-las
Sobre o piso de concreto
Impermeável
Rasgo, noutro plano
A vida do desengano
Ser divino e razoável
Galgando cada metro
No espesso céu volátil.

Ana Cristina Penov disse...

Lindo.Não o conhecia. Fiquei encantada.Vou procurar mais.Obrigada.Abraço.

Jefferson Bessa disse...

Deslize na matéria aérea
do poeta-ar, do poema-ar

Lindo poema.


Abraços


Jefferson

paulinho (paulo sabino) disse...

cicero, meu amor,

que coincidência boa! pois estou com octavio paz na cabeça por causa de um poema, lindo!, do poeta português al berto.

este poema publicado aqui é MARAVILHOSO! coisa linda!

o haroldo é, sem sombras de dúvidas, dos maiores tradutores que conheço. para este, as reverências maiores, de pé.

beijo grande, meu querido e sempre benvindo!

André disse...

de fato, as traduções do haroldo são realmente geniais!

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Lindo demais!
Grato por compartilhar!


Grande abraço,
Adriano Nunes.

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

Poderia ter comentado no anterior, mas deixei para esse aqui. Você sabe quanto eu sou ligado aos poetas concretistas. AMO HAROLDO DEMAIS! O CARA É DEZ!


Grande abraço,
Adriano Nunes.