7.12.08

Ledo Ivo: "Valsa fúnebre de Hermengarda

.



Valsa fúnebre de Hermengarda

Eis-me junto à tua sepultura, Hermengarda,
para chorar a carne pobre e pura que nenhum de nós viu apodrecer.

Outros viriam lúcidos e enlutados,
porém eu venho bêbado, Hermengarda, eu venho bêbado.
E se amanhã encontrarem a cruz de tua cova jogada ao chão
não foi a noite, Hermengarda, nem foi o vento.
Fui eu.

Quis amparar a minha embriaguez à tua cruz
e rolei ao chão onde repousas
coberta de boninas, triste embora.

Eis-me junto à tua cova, Hermengarda,
para chorar o nosso amor de sempre.
Não é a noite, Hermengarda, nem é o vento.
Sou eu.




De: IVO, Ledo. "As imaginações". In: Poesia completa (1940-2004). Rio de Janeiro: Topbooks, 2004.

9 comentários:

fred disse...

Ótimo poema.
Abraços

ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ADRIANO NUNES disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
betina moraes disse...

observador,

a quanto tempo eu não "vejo" Ledo Ivo!

grande lembrança!

verso muito bem escolhido.


aqui há sempre uma luz no fim do túnel!

grande abraço!

Lupo Lobato disse...

Nó que forte! Foda!

Louis ALLLien disse...

esse poema é maravilhoso.
é triste e pode ser interpretado de modo que seja engraçado tb.