23.12.07

Lucas Nicolato: A arte do poeta

A arte do poeta

escrever um poema é ser assaltado
e manter o sangue frio

ou fazê-lo ferver, borbulhar e correr
nas frias treliças metálicas
do concreto armado

escrever um poema é costurar
gotas
de suor ou lágrimas
tecer longa colcha de ondas
sobre sonhos profundos

ou subir na espiral dos sons
de uma escada cujos degraus
são as notas de uma canção oca
e ascender
através das nuvens evaporadas
rumo ao sol
ao céu
ao nada



Lucas Nicolato

10 comentários:

léo disse...

o homem imagina

que as horas passam

que o dia acaba

que outro ano se inicia

e que ele irá morrer




fantasia que se perpetua

que possui seus filhos

que seu Deus é grande

e que o inferno existe



pressupõe um tempo

uma continuidade

e uma eternidade

ao vislumbrar seu fim

Andréa N. disse...

Que lindo!

luciana penna disse...

Cícero,
só agora me dei conta do teu nome...
Abrir o seu blog é sempre um presente.
Obrigada.
Lu

Antonio Cicero disse...

Lu,

Obrigado a você e um feliz ano novo.

Antonio Cicero

Israel disse...

poesia é risco

Ciça Brandi disse...

Quantas imagens bonitas. Parabéns. É seu Lucas? beijo, Maria Cecilia Brandi

Lucas Nicolato disse...

é meu sim, ciça. obrigado.

Cândido Rolim disse...

Poesia não tem definição que não umas e outras no plano puramente técnico, melnhor, da linguagem. sinceramente não me agrada poética que,a pretexto de arriscar, tece uma trela de definições metafísicas em torno do ofício. valeu o blog. tem coisas boas.
abração e feliz 2008, pra todos.
]Cândido Rolim

Antonio Cicero disse...

Caro Cândido Rolim,

Ninguém é obrigado a gostar de poema nenhum. Mas não concordo com as considerações que você faz em torno do poema “A arte do poeta”. Em primeiro lugar, não penso que ele esteja tentando definir a poesia. Qualquer definição traça limites, logo exclui determinadas coisas. Como o poema em questão não exclui coisa nenhuma, ele não define nada. Além disso, não vejo nada de metafísico nele. O que ele faz é mostrar poeticamente algumas das experiências do poeta ao fazer um poema.

Não concordo quando você diz que a poesia tem umas e outras definições no plano puramente técnico, ou melhor, da linguagem. Parece-me que, se um poema puder ser definido, certamente não será no plano técnico nem no da linguagem. Como se poderia excluir das possibilidades da poesia qualquer experiência técnica ou lingüística? Ora, como eu disse, sem exclusão, não há definição.

Também não sei por que você fala do “pretexto de arriscar”. O poema não fala nem de arriscar nem de risco. Ele não invoca pretexto algum. A meu ver, como qualquer poema bom, ele não precisa de pretexto nenhum para existir. Ele simplesmente existe.

Um abraço e um feliz 2008 para você também.

Antonio Cicero

Cândido Rolim disse...

Caro poeta Antônio Cícero,
não falei em nenhum momento que o poema do Nicolato é ruim ou bom, embora tenha feito o comentado tocado pelo "gosto". repassei tão somente particularíssima impressão sobre a experiência estética detonada pelo constructo verbal. com certeza se fosse dado definir (de-finire) a poesia, e em particular o poema, ela sequer daria ensejo a discussões e verberações em todos os sentidos. o "pretexto de arriscar" se refere a outro comentário postado aqui, a meu ver também definidor, de que "poesia é risco". talvez nossa discrepância resida mais no fato de eu entender que o plano técnico-linguístico do poema é ainda a face, digamos, mais tangível de um texto. eu falei "tangível", não "esgotável". a não ser que julguemos que toda experiência humana seja totalmente compartilhável ou subsumível a uma única demonstração.
abraço cordial.
Cândido Rolim