30.11.17

Carlos Cardoso: "O bonde do silêncio"



O bonde do silêncio


Já é noite e o bonde do silêncio
permanece intacto.

Nas ruas as pessoas observam os
pássaros a sobrevoarem as
correntezas.

E tudo permanece intacto.

Os amantes, os Deuses, as estátuas.

Só a poesia perambula.

Acaso os versos caminham ágeis e
desapercebidos.

E tudo permanece intacto.



CARDOSO, Carlos. "O bonde do silêncio". In:_____. Na pureza do sacrilégio. Cotia: Atelier, 2017.


2 comentários:

Max Mallens disse...

Belo poema. Adquiri o livro do autor no lançamento e estou impressionado com a sensibilidade de sua escrita.

Karol Nogueira disse...

Querido amigo. Poeta dos melhores. Esperando o lançamento em Curitiba.