27.2.16

João Rasteiro: "Ciclos completos"




Ciclos completos

A Al Berto

Entretanto
é Primavera de novo
e crescem os hortos
no que foi um vasto campo vermelho
de batalhas abençoadas.

Um espaço consagrado fora do mundo.

Entretanto
é Verão de novo
e acende-se a carne
no que foi um profundo corpo negro
de guerras amaldiçoadas.

Qualquer coisa diferente de viver.

Entretanto
é poema de novo
e morrem as palavras
no que foi um imenso desejo branco
de saber apenas morrer.

O silêncio, um silêncio em suas escoras.



RASTEIRO, João. "Ciclos completos". In:_____. O Búzio de Istambul. Coimbra: Palimage, 2008.

2 comentários:

Maria joão Cantinho disse...

Parabéns ao João Rasteiro, pelo poema. E pela escolha de Antônio Cicero. Abraço.

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Maria João! Que bom recebê-la novamente aqui!

Beijos