14.1.11

Federico García Lorca: "Casida de la rosa" *




Casida de la rosa

La rosa
no buscaba la aurora:
casi eterna en su ramo,
buscaba otra cosa.

La rosa,
no buscaba ni ciencia ni sombra:
confín de carne y sueño,
buscaba otra cosa.

La rosa,
no buscaba la rosa.
Inmóvil por el cielo
buscaba otra cosa.



Casida da rosa

A rosa
não buscava a aurora:
quase eterna em seu ramo,
buscava outra coisa

A rosa
não buscava nem ciência nem sombra:
confim de carne e sonho,
buscava outra coisa.

A rosa
não buscava a rosa.
Imóvel pelo céu
buscava outra coisa.



LORCA, Federico García. Casidas Madrid: Ediciones de Arte y Bibliofilia, 1969.


* "Casida" é o nome de uma forma poética árabe.

5 comentários:

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

A musicalidade de Lorca e a sua simplicidade em dizer as coisas fazem-nos sempre buscar outra coisa! Maravilha! Bravo!


Adriano Nunes.

FTB disse...

Lindo!

Alcione disse...

Mel

Não cabe a mim
Sorrir
Com a flor que vem do nada
Nem com a vida breve
Que num segundo se perde
Em fome medo ou lava
Nos seres todos ateus
Dos teus eus
Fico imersa no mel
E bem longe do fel.

Simone Couto Kaplan disse...

Outra coisa:

A Rosa
De Lorca
Buscava a rosa
Doente
De Blake.


Abrçs,
S.

carmen silvia presotto disse...

Amo este poema e lê-lo tempos atrás escrevi este:

LA ROSA


Una hora
Una hoja
y a cada palpitación
una búsqueda

Blanca como el retrato
que esconde mi alma
cuando nadie pulsa,
miro puntos rumblantes
que vuelan del momento este
a este otro momento
péndulo,
donde no ser és quien me surge
vida
esa locura extraña
que borra mi temblante

Rama en clave del jardin
mi estallo
lapidada dentre mis flores...

Anelo del verso
Toca la Rosa
y así vivo.

Carmen Silvia Presotto

Um abraço , Poeta Querido, obrigada pela Poesia e também por nos dares um comentário em branco para conVersar.