16.9.10

José Paulo Paes: "O aluno"





O aluno


São meus todos os versos já cantados:
A flor, a rua, as músicas da infância,
O líquido momento e os azulados
Horizontes perdidos na distância.

Intacto me revejo nos mil lados
De um só poema. Nas lâminas da estância,
Circulam as memórias e a substância
De palavras, de gestos isolados.

São meus também os líricos sapatos
De Rimbaud, e no fundo dos meus atos
Canta a doçura triste de Bandeira.

Drummond me empresta sempre o seu bigode.
Com Neruda, meu pobre verso explode
E as borboletas dançam na algibeira.



PAES, José Paulo. Poesia completa. Apresentação de Rodrigo Naves. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

13 comentários:

fred girauta disse...

!!!!!!!!!

ADRIANO NUNES disse...

Amado Cicero,


Adoro esse poema! Bravo!


Um poema para você:

"0 poema" - Para Antonio Cicero.


hoje o poema está
com a agenda lotada:
abrigou-se no tempo
do silêncio da sala,
não precisa louvar
mais nada, nem a flor
de lótus, nem a lógica
do agora, logaritmos,
as fórmulas de ser...

o poema não quer
vida ou morte - desfaz-se
indizível, à face
de tudo, sempre corre
o risco de ser só
previsível, seu mundo
onde se finca? à tez
da existência, consome-se,
ao poeta resiste...

quer explodir o nexo,
feito uma dinamite.
o poema assim vinga,
sem ceder à vontade
alheia, feito areia
de deserto, sem medo
de porvir, feito pólvora...
às vezes, tende a vir
de sinapses abruptas!


hoje o poema está
com a agenda esgotada:
abrigou-se no umbigo
do mistério da fala,
não precisa enganar
a mais nada, se for
o que for, com a mágica
do agora, outro milagre
brota...pra que o poema?


Abraço forte,
A. Nunes.

Pedro Teixeira disse...

A poesia constituindo o ser
aluno das palavras
Lindo lindo o poema.
Parabéns pelo blog Cícero,
eis aqui o meu canal diário para o poético e o literário.
Um abraço.

Antonio Cicero disse...

Adriano,

adorei o poema. Muito obrigado.

Abraço

Jefferson Bessa disse...

O que é de um poeta
senão ser com os outros
também poetas?

Um abraço!

Jefferson.

Domingos da Mota disse...

Um excelente aluno.
E mestre.

Í.ta** disse...

que bonito isso! muito bonito.

sensibilidade de paulo paes é algo.

abraços.

carmen silvia presotto disse...

Que poema, que aluno que ensina!

Um beijo

Carmen Silvia Presotto

CANTALICIA disse...

Esta semana recibí de una amiga querida un regalo: la transcripción de su poema GUARDAR. Muchas gracias por el regalo que al mundo le hace.
Desde Bogotá,
Saludos.
Catalina
http://cantalicia.blogspot.com/

ADRIANO NUNES disse...

Amado Cicero,


Meu novo poema:


"o mar" - Para Péricles e Lídia


amor sem muro
amor sem rumo
do amor, o sumo
amor só, puro

amor em onda
amor em nado
amor mudado
ó mar,responda!

o som do mar
amor de cor
colar calor
amalgamar

o sol domar
um som maior
mel do melhor
amado mar!


Abração,
A. Nunes.

Jonathan disse...

Que poema legal!!!
Gostei muito!

Anônimo disse...

esse poema é lindo!
eu amei!

Ana Isabel disse...

Nossa gostei tanto deste deste poema que vou usar ele no meu para casa