11.9.16

Gastão Cruz: "Até tornar-se fogo"





Até tornar-se fogo

As carruagens cheias como praças
que se movem à luz geral do ensaio
repetem dia a dia a mesma viagem:

os versos partem para a humanidade
mas a humanidade para onde parte?
Sabemos as paragens em que saem

e entram os que irrompem pelo palco;
até tornar-se fogo há-de crescer
continuamente a luz mortal do ensaio




CRUZ, Gastão. "Até tornar-se fogo". In:_____. Óxido. Porto: Assírio & Alvim, 2015.



Um comentário:

Touché Lopes disse...

Freud escreveu :"Aonde quer que eu vá, eu descubro que um poeta esteve lá antes de mim." Será que Freud escreveu isso porque se interessava pelas mentes, ids,egos,etc ? Pode o poeta ser fogo e água,porque poesia é vida.