28.4.14

Vielimir Khlébnikov: "Hoje de novo sigo a senda"





Hoje de novo sigo a senda
Para a vida, o varejo, a venda,
E guio as hostes da poesia
Contra a maré da mercancia.



KHLÉBNIKOV, Vielimir. "Hoje de novo sigo a senda". Trad. Augusto de Campos. In: CAMPOS, Ausgusto de; CAMPOS, Haroldo de; SCHNAIDERMAN, Boris. Poesia Russa Moderna.São Paulo: Perspectiva, 2012.

3 comentários:

Nobile José disse...

ALÉM


A Paris da minha infância era

longe e intocável.

As fotos eram poucas e envelheciam.

Meu bairro era enorme e eu o dividia

em países.

Os aviões que cortavam o céu, um outro mundo

veloz, a piscar na noite quente e quieta

daquele interior perdido.

Notícias chegavam pelo correio

como passos rumo ao além

uma vez ao dia até o dia em que paris pousou em minha tela como fotos em nuvens eternas e infinitas, meu bairro é um ponto no google earth aonde jatos passam devagar, fico perdido com notícias por e-mail, imprecisa essa saudade de 'agora', memória ruim, devaneio, no galeão, remédio pra dormir, hagádêtevê, política de cotas, boleto do clube, vou-te-ligar, etc etc etc, e #fim?

Anônimo disse...

Cicero!

A Poesia russa moderna, que nos chegou magistralmente pelas traduções de Haroldo e Augusto de de Campos e do Boris Schnaiderman é de uma riqueza perene.

A quadra do Khlébnikov, (sua "profissão de fé") diz tudo o que ele pensou e quis como acontecimento da sua poesia. Ele a queria assim e assim foi: um petardo contra os poetastros, os vendidos, os papagaios de gravata da literatura.

Desse mesmo exemplar, esse mandamento, essa lição dele, Maiakovski:

[...]
A cauda dos anos
faz-me agora
um monstro,
fossilcoleante.
Camarada vida,
vamos,
para diante,
galopemos
pelo quinquênio afora.
Os versos
para mim
não deram rublos,
nem mobílias
de madeiras caras.
Uma camisa
lavada e clara,
e basta, –
para mim é tudo.
Ao Comitê Central
do futuro
ofuscante,
sobre a malta
dos vates
velhacos e falsários,
apresento
em lugar
do registro partidário
todos
os cem tomos
dos meus livros militantes.

MAIAKOVSKI, Vladmir."A Plenos Pulmões". Trad. Haroldo de Campos. In: CAMPOS, Ausgusto de; CAMPOS, Haroldo de; SCHNAIDERMAN, Boris. Poesia Russa Moderna.São Paulo: Perspectiva, 2012.

Abraços

Arsenio Meira Junior

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Minhas saudações.
António Batalha.