26.4.11

Antonio Carlos Secchin: "De chumbo eram somente dez soldados"




De chumbo eram somente dez soldados

De chumbo eram somente dez soldados,
plantados entre a Pérsia e o sono fundo,
e com certeza o espaço dessa mesa
era maior que o diâmetro do mundo.

Aconchego de montanhas matutinas
com degraus desenhados pelo vento;
mas na lisa planície da alegria
corre o rio feroz do esquecimento.

Meninos e manhãs, densas lembranças
que o tempo contamina até o osso,
fazendo da memória um balde cego

vazando no negrume de um poço.
Pouco a pouco vão sendo derrubados
as manhãs, os meninos e os soldados.


SECCHIN, Antonio Carlos. Todos os ventos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

10 comentários:

Nobile José disse...

cicero,

é um privilégio para nós que aqui acessamos tê-lo como nosso "selecionador" de poemas. leio cada um como quem recebe um presente.

parece com um restaurante russo aqui de teresópolis, aonde cada prato que chega à mesa é sublime, especialmente preparado. seja poetas que conheço, seja os que nunca ouvi falar, seja aqueles que aqui postam nos comments: sempre é um prazer passar os olhos por aqui.

e esse texto é bárbaro!

abrçs.

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Parabéns pelo espaço e pelos poemas da antologia 'Traçados Diversos'. Gostei especialmente de "Balanço", "O país das maravilhas" e "Dilema".

Fica o convite para visitar meu espaço: www.im-postura.blogspot.com

Abraço

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Nobile José. Também adoro esse poema do Secchin. Mas queria saber qual é o restaurante russo de que você fala. Quero conhecê-lo.

Abraço

Nobile José disse...

cicero,

o restaurante que lhe falei é o dona irene: www.donairene.com.br

é mto legal. desde que me mudei pra cá, já fui umas duas vezes. e a vodka é ótima (rs).

abraço.

Érico Cordeiro disse...

Meu querido poeta Antônio Cícero,
Convido você e seus leitores para as comemorações do segundo aniversário do blog Jazz + Bossa + Baratos Outros:
http://ericocordeiro.blogspot.com/
Um fraterno abraço e obrigado por compartilhar o seu talento e a sua sensibilidade conosco!

ADRIANO NUNES disse...

Cicero,

que poema belíssimo! fiquei encantado! deixo aqui o meu mais novo poema feito pra você:

"o lápis" - Para Antonio Cicero

o silêncio perdido
na sala... papéis?
seis contos de réis
compram todo olvido

enquanto decido
que cor tem o céu
de grafite. ao léu,
um giz branco, obtido

na escola, me diz
que eu era feliz.
(a nuvem não erra...

o lápis a encerra?)
num só movimento,
a minh'alma invento!

Letícia disse...

Ah, o mestre Secchin... sempre nos agraciando com belos versos.

Lindíssimo soneto.

Obrigada, Cicero!

Beijo.

Antonio Cicero disse...

Obrigado, Nobile José. É mais uma razão para ir a Teresópolis: coisa que estou querendo fazer.

Abraço

Antonio Cicero disse...

Adriano,

Obrigado pelo lindo poema.

Abraço

Flávia Amparo disse...

Belíssimo poema de Antonio Carlos Secchin, verdadeiramente magistral!
Adoro o trecho: "o espaço dessa mesa era maior que o diâmetro do mundo". Antonio multiplica Antonio nesse espaço virtual, maior, muito maior que o diâmetro do mundo... Sento-me à mesa e bebo dessa palavra viva!

Abraço,

Flávia Vieira