2.11.07

Calderón de la Barca: de La vida es sueño

Monólogo de Segismundo, Jornada segunda, escena XIX de La vida es sueño, de Calderón de la Barca:


Es verdad; pues reprimamos
esta fiera condición,
esta furia, esta ambición,
por si alguna vez soñamos:
y sí haremos, pues estamos
en mundo tan singular,
que el vivir sólo es soñar;
y la experiencia me enseña
que el hombre que vive, sueña
lo que es, hasta dispertar.
Sueña el rey que es rey, y vive
con este engaño mandando,
disponiendo y gobernando;
y este aplauso, que recibe
prestado, en el viento escribe;
y en cenizas le convierte
la muerte (¡desdicha fuerte!):
¿que hay quien intente reinar,
viendo que ha de dispertar
en el sueño de la muerte?
Sueña el rico en su riqueza
que más cuidados le ofrece;
sueña el pobre que padece
su miseria y su pobreza;
sueña el que a medrar empieza,
sueña el que afana y pretende,
sueña el que agravia y ofende,
y en el mundo, en conclusión,
todos sueñan lo que son,
aunque ninguno lo entiende.
Yo sueño que estoy aquí
destas prisiones cargado,
y soñé que en otro estado
más lisonjero me vi.
¿Qué es la vida? Un frenesí,
¿Qué es la vida? Una ilusión,
una sombra, una ficción,
y el mayor bien es pequeño:
que toda la vida es sueño,
y los sueños, sueños son.


De: CALDERÓN DE LA BARCA, Pedro. La vida es sueño. New York: Double Day, 1961, p.75.

5 comentários:

leo disse...

tento ser na vida o holofote que perscruta

escultura erigida em comemoração

obelisco em movimento

gema do ovo posto de pé em praça pública

movimento incessante rumo ao fogo de santelmo

pedra pontiaguda em plena rampa de descida

escada rude rumo ao céu interior

bafejo de prazer em noite quente

estrela incandescente

homem que não cessa

que não desiste

não se conforma

não sai do ringue

não perde a guerra

leo disse...

Eu amo, tua amas, ela ama.

Eu minto, tu mentes, ela mente.

E o amanhã, como será?



Meu coração tem muitas cores.

O dela, meus amores.

E o amanhã, de quem será?



A chuva forte da paixão

irriga o solo que vai destruir.

E o amanhã, que flor dará?



Todos amam à vontade.

A mentira é um detalhe.

O amanhã, uma ilusão.



Mas de ilusão também se vive.

A verdade é uma merda.

O amanhã sou eu quem faz.

Edson Dognaldo Gil disse...

"Es gibt überall kein Dauerndes, weder außer mir, noch in mir, sondern nur einen unaufhörlichen Wechsel. Ich weiß überall von keinem Sein, und auch nicht von meinem eigenen. Es ist kein Sein. - Ich selbst weiß überhaupt nicht, und bin nicht. ´Bilder´ sind: sie sind das einzige, was da ist, und sie wissen von sich, nach Weise der Bilder: Bilder, die vorüberschweben, ohne daß etwas sei, dem sie vorüberschweben; die durch Bilder von den Bildern zusammenhängen, Bilder, ohne etwas in ihnen Abgebildetes, ohne Bedeutung und Zweck. Ich selbst bin eines dieser Bilder; ja, ich bin selbst dies nicht, sondern nur ein verworrenes Bild von den Bildern. - Alle Realität verwandelt sich in einen wunderbaren Traum, ohne ein Leben, von welchem geträumt wird, und ohne einen Geist, dem da träumt." (J.G. Fichte: Die Bestimmung des Menschen)

[Em parte alguma há algo permanente, nem fora nem dentro de mim, mas apenas uma mudança ininterrupta. Em parte alguma sei de algum ser, nem mesmo do meu próprio. Não há ser algum. -- Eu mesmo absolutamente não sei, e não sou. Figuras são: elas são a única coisa que existe, e sabem de si ao modo das figuras: figuras que passam, sem que haja algo para o quel elas passem; que se explicam por meio de figuras das figuras, figuras sem algo afigurado nelas, sem sentido e fim. Eu mesmo sou uma dessas figuras; sim, eu mesmo não sou isso, mas apenas uma figura confusa das figuras. -- Toda realidade se transforma em um sonho maravilhoso, sem uma vida de que se sonhe, e sem um espírito que nela sonhe. (J. G. Fichte, A destinação do homem)]

Antonio Cicero disse...

Caro Edson Gil,

Maravilhosa essa citação de Fichte! Perfeita para o contexto.

Abraço,
Antonio Cicero

noemi disse...

AUTO-RETRATO '

Sou fruto de reflexões..
sou incógnita, sou razão,
sou produto de equações
sou artista, sou canção
sou filha das emoções...
sou natural, sou inspiração,
sou fugitiva dos padrões
sou primavera, sou paixão,
sou verdades e contraposições,
sou fraca, sou multidão,
sou pintora de composições
sou matizes, sou visão,
sou personagem de ficções
sou ápice, sou o vão,
sou tocar dos carrilhões,
sou trevas, sou iluminação,
sou povoada de ilusões,
sou amor, sou gratidão,
sou efeito de estações,
sou aprendiz, sou borrão,
sou paradoxo de concepções
sou caridade, sou perdão,
sou explosão de transformações,...
Noemi Carnielli