17.7.07

Ferreira Gullar: Sete poemas portugueses. Nº 4

Esse é o quarto dos extraordinários “Sete poemas portugueses” de Ferreira Gullar:

4.
Nada vos oferto
além destas mortes
de que me alimento

Caminhos não há
Mas os pés na grama
os inventarão

Aqui se inicia
uma viagem clara
para a encantação

Fonte, flor em fogo,
que é que nos espera
por detrás da noite?

Nada vos sovino:
com a minha incerteza
vos ilumino


GULLAR, Ferreira. “Sete poemas portugueses” Nº4. In:_____. Toda poesia. 1950-1980. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. P.18.

5 comentários:

Lucas Nicolato disse...

Muito bonito.

adriano disse...

ENCANTADOR CÍCERO:

RECOMENDO A TI: "AS PÊRAS" ( AQUI VAI UM FRAGMENTO)

"As peras, no prato,
apodrecem.
O relógio, sobre elas,
mede
a sua morte?
Paremos a pêndula. De-
teríamos, assim, a
morte das frutas
Oh as peras cansaram-se
de suas formas e de
sua doçura ! As peras,
concluídas, gastam-se no
fulgor de estarem prontas
para nada.
O relógio
não mede. Trabalha
no vazio: sua voz desliza
fora dos corpos.
(…)"

adriano disse...

CÍCERO ,


SÃO: AS PERAS... o site da internet que usei estava grafando " AS PÊRAS" e eu nem me dei conta...

Um grande abraço!

P.S.: descobri o seu blog hoje...sou seu fã: paz e luz! continue escrevendo, compondo,filosofando - você emite luz ao mundo!

adriano disse...

CÍCERO




O ATÔNITO METEORO
METE-SE ADENTRO
E GUARDA-NOS
COMO QUEM DEIXA
À TOA. EIS A PESSOA:
MARINA DE VERSOS!

ADRIANO NUNES, MACEIÓ-AL

Antonio Cicero disse...

Obriado pela força, Adriano. Valeu.
Abraço