1.11.08

Bertold Brecht: "Großer Dankchoral" / "Grande coral de graças"

Grande coral de graças


1
Louvai a noite e a escuridão que vos abraçam!
Vinde de montão
Olhai o céu acima:
Já vosso dia passou.

2
Louvai a grama e os bichos que vivem e morrem a vosso lado!
Vede, como vós
Vivem a grama e o bicho
E convosco também têm que morrer.

3
Louvai a árvore que jubilante surge da carniça para o céu!
Louvai a carniça
Louvai a árvore que a devora
Mas também louvai o céu.

4
Louvai de coração a péssima memória do céu!
E que ele sequer
Vos conheça de nome ou rosto
Ninguém sabe que ainda vos encontrais aí.

5
Louvai o frio, a escuridão e a podridão!
Olhai para cima:
Nada tem nada a ver convosco
E podeis morrer despreocupados.




Großer Dankchoral

Lobet die Nacht und die Finsternis, die euch umfangen!
Kommet zuhauf
Schaut in den Himmel hinauf:
Schon ist der Tag euch vergangen.

Lobet das Gras und die Tiere, die neben euch leben und sterben!
Sehet, wie ihr
Lebet das Gras und das Tier
Und es muß auch mit euch sterben.

Lobet den Baum, der aus Aas aufwächst jauchzend zum Himmel!
Lobet das Aas
Lobet den Baum, der es fraß
Aber auch lobet den Himmel.

Lobet von Herzen das schlechte Gedächtnis des Himmels!
Und daß er nicht
Weiß euren Nam’ noch Gesicht
Niemand weiß, daß ihr noch da seid.

Lobet die Kälte, die Finsternis und das Verderben!
Schauet hinan:
Es kommet nicht auf euch an
Und ihr könnt unbesorgt sterben.




De: BRECHT, Bertold. Gesammelte Werke 8. Gedichte I. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1967.

7 comentários:

Mariano disse...

Caro A. Cicero,
esse belo e melancólico poema lembrou-me a antiga sentença do Tao Te Ching: "Céu e terra não têm atributos e não estabelecem diferenças: tratam as miríades de criaturas como cachorros de palha".
O nosso ilusório Humanismo (forjado na poeira do mito cristão)tenta pateticamente escamotear essa triste condição.
Longa vida ao Acontecimentos.
Abraços.

Alcione disse...

Chumbo
Metal
Símbolo Pb
Número atômico 82
Te encontro depois
A mensagem
Igual à ramagem
Balança com o vento
Quero ser
Acontecer
O que tiver de ser
Mas a viagem violenta
Aumenta
A cada segundo
No (e)oco do mundo.

paulinho disse...

que lindo poema, meu amor! ele vai de encontro com as reflexões que me assaltaram por esses dias, e você bem sabe delas.

aliás, reenviei-lhe, revisado, o texto que escrevi sobre as tais reflexões, e que tem a ver com as duas poesias do drummond que lhe mandei. depois de revisado, de revisado(rs)!, ficou bacana. dê uma lida.

beijo enorme!

QUEFAÇOCOMOQUENÃOFAÇO disse...

CICERO,


LINDO POEMA! GOSTO MUITO DOS ESCRITOS DE BERTOLD BRECHT.
OBRIGADO POR COMENTAR O MEU SONETO VIII. SABER QUE VOCÊ GOSTOU DELE ME ALEGRA IMENSAMENTE! QUEM SABE UM DIA NÃO VEJO UM DOS MEUS POEMAS POSTADOS EM SEU BLOG... QUE PRETENSÃO A MINHA!
ALIÁS, RELENDO FINALIDADES SEM FIM, ACHEI ENCANTADORA SUA OBSERVAÇÃO SOBRE EPOS ATÔMICO E EPOS MOLECULAR: SER COMPOSTO DE UMA PALAVRA (ATÔMICO) E DE VÁRIAS PALAVRAS (MOLÉCULA)... POIS BEM: O ÁTOMO, UMA PALAVRA, POSSUI ELETROS FERA (SÍLABAS POÉTICAS - JÁ QUE HÁ UM MOVIMENTO CONSTANTE NESSE SÍTIO!) E NÚCLEO (SÍLABAS)... E AS SÍLABAS SÃO FEITAS DE LETRAS/FONEMAS OS QUAIS SERIAM OS PRÓTONS, OS NÊUTRONS E OS ELÉTRONS!... PURA QUÍMICA! FIZ ESSAS OBSERVAÇÕES PARA PROVAR QUE O SEU CONCEITO ESTÁ PERFEITO E ADEQUADO, ISTO É, CHEIO DE LUZ E MOVIMENTO!


CADA VEZ MAIS ENCANTADO,
ADRIANO NUNES, MACEIÓ/AL.

QUEFAÇOCOMOQUENÃOFAÇO disse...

MEU POETA,


UM DOS MEUS SONETOS DE QUE GOSTO MUITO:


"SONETO VI"




SEMPRE SORRINDO SEM
SABER SE ASSIM SERÁ
POSSÍVEL POSSUIR SEU
ESPÍRITO NO VERSO.


SEMPRE SONHANDO COM
SEU SEXO INSACIÁVEL.
SEMPRE SOFRENDO PRESO
À NOSSA INSENSATEZ.


FOSSE ISSO A SOLIDÃO
SOMENTE, NÃO SERIA
O SACRIFÍCIL FÁCIL?


E SE SEMPRE FUGÍSSEMOS
DOS NOSSOS RESSENTIDOS
RECEIOS, QUE FARÍAMOS?



FORTE ABRAÇO!
ADRIANO NUNES, MACEIÓ/AL.

QUEFAÇOCOMOQUENÃOFAÇO disse...

CICERO,


MAIS UM DOS MEUS SONETOS:



"SONETO IV"




O PENSAMENTO
PESA O POEMA.
POR QUE SUPÕE
SER ASSIM LEVE


COMO UMA PENA?
POR QUE SEQUER
NADA PONDERA
OU PRINCIPIA?


O PENSAMENTO
É MESMO CEGO.
POR QUE NÃO VÊ


QUE SÓ O POEMA
TUDO SUPORTA,
TUDO SUSTENTA?


ABRAÇO FORTE!
ADRIANO NUNES, MACEIÓ/AL.

QUEFAÇOCOMOQUENÃOFAÇO disse...

CICERO,


"SONETO VII"




ESQUEÇO-ME DE SENTIR
TUDO QUE AGORA JÁ SOU.
NUNCA SEREI O DO MOMENTO.
NUNCA SEREI O DA MOLDURA.


TALVEZ SEJA A VIDA VÍTIMA
DA MINHA VELHA MEMÓRIA.
QUE DESEJO DO PROPÓSITO
VESTIDO DE IMPOSSÍVEL?


ESQUEÇO-ME DE PENSAR
EM TODOS OS NOVOS VÍNCULOS
QUE ME PROTEGEM DE MIM.


TALVEZ SEJA ASSIM VISÍVEL
A MINHA ALMA NOS ESCRITOS
QUE RASGO E NUNCA PUBLICO.



ABRAÇO FORTE!
ADRIANO NUNES, MACEIÓ/AL.